Quarto na medida para duas crianças! Um menino e uma menina podem compartilhar o quarto, dividindo armários, bancada de estudos e área de brincar? Sim! E dá para manter a ordem!

0

Outro dia, navegando no site da revista eletrônica de design infantil Na Toca, vi um dormitório
duplo que achei muito bem resolvido em termos de decoração e, particularmente, de
organização. Olha que eu sei, por experiência com as minhas filhotas queridas, que nem
sempre é fácil para duas crianças dividirem o mesmo quarto. Dentro dele, cada uma precisa
ter o próprio espaço e se reconhecer ali.

Já que achei o projeto eficiente, resolvi saber mais sobre ele para apresentá-lo hoje aqui, como
um presente para filhos e pais neste Dia das Crianças. Quem encontrou a solução perfeita para
o dormitório dos irmãos Sabrina e Theo, de 6 e 4 anos respectivamente, foi a arquiteta Hana
Lerner, do Rio. Em uma área de 9 m², ela criou os setores de dormir, de guarda-roupa, de
estudos e de brincar e circular. Como eu sempre recomendo no caso de cômodos pequenos e
com várias funções, o uso do espaço vertical foi decisivo para o sucesso da proposta.

Um beliche feito sob medida acomoda a menina em cima e o menino embaixo. Mas como
fazer quando eles querem convidar um amiguinho para passar a noite? Nessas ocasiões, entra
em cena no meio da área de circulação o colchão dobrável que no dia a dia é guardado sob
metade da cama inferior. E sabe por que ele ocupa só 50% desse vão? Porque a outra metade
virou um gavetão para brinquedos. “O ambiente é muito pequeno, então a gente precisava
aproveitar todos os espaços que servissem para armazenar os pertences deles”, diz a Hana.

Ainda na área de dormir, repare que cada criança tem à cabeceira prateleiras onde enfileiram
bonecos, bichinhos e outros itens pequenos. Além de personalizar o cantinho de cada irmão,
esse detalhe de marcenaria camufla um dente que existe na parede.

Aos pés do beliche, outras cinco prateleiras feitas sob medida deixam à mão os livrinhos de
histórias e não atrapalham o acesso ao armário. Para economizar o espaço de abertura, o
móvel tem portas de correr: uma para cada criança e uma terceira que é compartilhada.
Agora, você reparou nas gavetas sob o guarda-roupa? Gente, eu amei, porque cada uma traz
identificado o conteúdo! Precisa de muito esforço para conseguir bagunçá-las, hein?!

A arquiteta me explicou que preferiu deixar a frente das gavetas no acabamento lousa para
que as funções possam ser modificadas conforme a necessidade. Hoje elas guardam pijamas,
meias e sapatos – os da Sabrina de um lado da gaveta e os do Theo do outro –, mas nada
impede que amanhã a forma de organizar seja outra. Ou seja, existe uma segmentação, mas
ela é flexível. Acima das gavetas, ainda há nichos para acomodar os jogos.
Dois baús ripados, com rodízios, contemplam mais brinquedos. E aí vem a identificação por
cores que a arquiteta adotou: o da menina é lilás e o do menino, turquesa.

O padrão se repete na área de estudos e assim não sai briga para decidir quem senta onde.
Cada um tem as suas gavetas e prateleiras para organizar livros escolares, cadernos, materiais
de papelaria e enfeites. As prateleiras mais baixas, pouco profundas, encaixam baldinhos com
lápis e canetas.

E cada irmão também ganhou um gaveteiro – com rodinhas. “Nos dias em que eles estão se
amando, querem sentar um do lado do outro, então os gaveteiros vão para as pontas. Mas
quando estão brigados, os gaveteiros servem para separá-los”, explica a Hana, rindo. Sei bem
como é isso, Hana! Aliás, que pai e que mãe não conhecem essa situação?

Viu como organizando bem tudo é possível?

E assim eu me despeço, desejando um felicíssimo Dia das Crianças para todos!

Beijos,

Mica ♥

 

 

 

E se o gato fizer xixi no sofá ou nos livros? Descobrir o porquê do ato é importante, mas urgente mesmo é limpar o resíduo e impedir que o cheiro fique entranhado

0

Um belo dia seu bichano lhe presenteia com um xixi fora do lugar. E aí? Quando isso acontece
em um piso frio, até que vai, mas se o alvo é um tapete, colchão ou estofado… Ai, ai, só quem
já experimentou o cheiro da urina do gato sabe o quanto ele é forte e persistente – culpa da
amônia presente em sua composição.

Como não adianta chorar sobre o xixi derramado, em vez de se desesperar, aja com eficiência.
O primeiro passo é colocar algumas folhas de papel toalha em cima da pocinha para absorver o
excesso. Não esfregue jamais! Isso só faz a urina se espalhar e penetrar mais fundo na trama.

O passo seguinte é limpar a mancha. Apesar de conhecer muitas receitas caseiras testadas por
donos de gatos – a maior parte delas à base de vinagre, bicarbonato de sódio e até água
oxigenada –, eu ainda acho que a situação pede uma solução mais certeira. E nada me parece
tão eficiente quando os eliminadores enzimáticos de odor, facilmente encontrados em
grandes pet shops (já falei sobre eles aqui). Esse tipo de produto não serve apenas para
mascarar o cheiro, mas para acabar com as substâncias que o provocam, já que sua fórmula
não possui nada além de microrganismos especialistas na decomposição de restos de fezes e
urina.

Agora, se quem levou aquele banho de xixi foi um livro, o bicarbonato pode ajudar muito.
Antes de qualquer coisa, recorra ao papel toalha para absorver o excesso de líquido. Em
seguida, coloque o livro dentro de um saquinho plástico com fecho hermético e polvilhe
bicarbonato em toda a área atingida. Feche a embalagem e deixe-a assim por alguns dias,
sacudindo-a de vez em quando a fim de espalhar bem o pó. Uma semana costuma ser
suficiente para reverter o estrago. 😉

Beijão,

Mica

 

Receita da Vovó: Arroz de Amêndoas

0

Vamos aprimorar o nosso arroz de cada dia?

Ingredientes:

2 colheres de sopa de manteiga;

1 cebola ralada;

4 xícaras de arroz;

1/2 xícara de vinho branco seco;

2 tabletes de caldo de carne dissolvidos;

1 colher de açafrão;

1 xícara de amêndoas descascadas, ligeiramente torradas e picadas;

sal a gosto;

Modo de preparo:

  1. Doure a cebola numa colher de manteiga, junte o arroz lavado e escolhido, deixando fritar bem;
  2. Coloque o vinho e, depois que este evaporar, junte o caldo e o açafrão;
  3. Assim que estiver cozido, junte a outra colher de manteiga e as amêndoas;

E prontinho! 😛

Beijos,

Mica e Vovó ♥

5 grandes acertos na limpeza da cozinha Você já parou para pensar se a rotina que criou para deixar a cozinha em ordem é a mais eficiente? Chegou a hora de se questionar e melhorar o que for necessário!

0

Às vezes, é preciso observar alguém limpando a cozinha – ou qualquer outro local – de uma
forma diferente da nossa para só então nos darmos conta de que nem todo mundo faz tudo
do mesmo jeito. E, aí, ou a gente aprende ou a gente ensina.

E é isso o que quero compartilhar. Tudo porque me lembrei de uma ocasião em que, passando
na casa de uma amiga justamente no dia da faxina, notei que a diarista dela iniciava a limpeza
pelo chão. Eu fiquei realmente surpresa porque, até então, tinha certeza de que todo mundo
começava igualzinho a mim, batendo cortinas e tirando o pó dos móveis – afinal, a poeira cai e
vai parar aonde? No piso, né? Então, se ele já foi limpo, é trabalho perdido e, depois, trabalho
dobrado. Expliquei isso pra moça e ela ficou toda contente por aprender algo novo.

Então hoje eu reuni esta e outras quatro regrinhas de ouro que valem para a casa inteira, mas
principalmente para o dia a dia da cozinha. Vamos lá!

1. Inicie a arrumação pela louça e deixe o chão para o fim

Se a sua cozinha tem bancada de refeições ou mesa, você já sabe como é: basta o café da
manhã para o piso ficar cheio de migalhas e respingos de líquidos, principalmente se houver
crianças em casa. De nada adianta correr para pegar a vassoura e o pano de chão pois, quando
você e a sua família tirarem a louça suja, outras sujeirinhas vão acabar caindo. Não importa se
você está dando um tapinha na cozinha ou limpando pra valer: o piso fica por último.

2. Use esponjas macias e panos de microfibra

O papel toalha é super conveniente: mal alguma coisa derrama, a gente arranca algumas
folhas do rolo, seca o que tiver de secar e joga aquele monte de papel molhado no lixo. Mas e
o desperdício, minha gente? Onde fica o discurso de sustentabilidade? No lixo, né, junto com a
maçaroca de folhas. Para a maioria das situações, esponjas macias e panos – principalmente
de microfibra, que não solta fiapos – são tão ou mais eficientes que o papel toalha, que deve
ser reservado para situações críticas, como a limpeza grossa de um fogão extremamente
engordurado.

3. Escolha produtos de limpeza adequados

Apesar de vários limpadores se apresentarem como multiuso, tome cuidado, pois eles podem
acabar danificando superfícies mais delicadas, como as de mármore e madeira. Os mármores
claros, por exemplo, são muito sensíveis e não gostam nem de substâncias ácidas, como
vinagre e limão, nem de detergentes coloridos – ambas as categorias oferecem risco de
manchas. Para uma limpeza eficiente e que não danifique nada, leia sempre os rótulos dos
produtos antes de utilizá-los.

4. Sujou, limpou na hora

Eu sei que às vezes a gente se atrasa e sai de casa deixando tudo de pernas para o ar. Mas isso
deve ser a exceção. Organizar-se significa se programar para cuidar da louça ao término de
cada refeição – mesmo que essa não seja a ‘sobremesa’ desejada após um longo jantar com os
amigos. No dia seguinte, quando acordar, você vai agradecer por encontrar a cozinha limpa e
nenhum rastro de insetos que adorariam ter se fartado nos pratos e copos sujos!

5. Higienize a esponja de cozinha

Você lava a esponja de louça com água e sabão? Não? Hum, pois saiba que poucas coisas
numa casa reúnem tantas bactérias e fungos quanto ela. Por isso, sempre que terminar de
lavar a louça, limpe o utensílio com água e sabão, enxágue bem até eliminar todos os resíduos
(de espuma, inclusive!) e então esprema a esponja para secá-la.

Mas esta é a limpeza básica: existe, ainda, a higienização, que deve ser feita toda noite (caso
você cozinhe diariamente) ou a cada três ou quatro dias. É assim: após a limpeza básica, ferva
a esponja em uma panela com água por 10 minutos. Outra opção é levá-la ao micro-ondas por
2 minutos em uma tigela com água. Usando luvas, aperte bem a esponja para retirar toda a
sua umidade e guarde-a em local seco e arejado.

Gostou das dicas? Você tem alguma outra regrinha de ouro válida para a limpeza da cozinha?
Me conta!

Beijos,

Mica