Quarto de bebê: a organização depende dos mínimos detalhes

0

Quanto menor o quartinho, maior atenção merecem a profundidade do armário, a largura das gavetas, o tamanho da poltrona…

Foto: Luís Gomes (divulgação)

Começo com uma pergunta: você sabe porque as gavetas superiores desta cômoda são menores que as de baixo? Sim? Não? Ok, eu conto. Primeiro, cabe lembrar que a cômoda não apenas guarda o enxoval do bebê, como serve de apoio na hora de vesti-lo. E se, nesse momento, tiver faltado separar uma calça ou um body? Caso a gaveta seja estreita, a mãe pode abri-la sem precisar afastar o corpo do trocador. Ou seja, ela continua mantendo a segurança do bebê. Mas se for larga…

Pois é, foi em detalhes assim que a arquiteta Ana Yoshida pensou ao projetar o dormitório que ilustra este post. E você, mãe de primeira viagem, precisará usar o mesmo tipo de raciocínio. Se o ambiente for tão pequeno quanto este, então… 

Aqui, as paredes maiores medem 2,83 m e as menores, 1,92 m. Mas coube tudo o que é necessário: uma cama baixinha (a mãe não quis berço), estante para brinquedos, cômoda, armário, poltrona de amamentação e banquinho lateral. 

Foto: Luís Gomes (divulgação)

Para garantir um corredor de circulação, os móveis grandes foram encostados nas paredes mais longas. Mesmo assim, foi preciso mandar fazer o mobiliário sob medida, reduzindo o que era possível. Vamos ver item por item?

Cama com casinha

O colchão segue o padrão americano para berço e a estrutura da cama ultrapassa pouco as dimensões dele. No total, o conjunto mede 1,63 x 0,85 m.

Guarda-roupa

Foto: Luís Gomes (divulgação)

Já que não era possível mexer na largura da cama, a arquiteta mexeu na profundidade do armário: são 38 cm de espaço interno (44 cm incluindo fundo e portas). “A medida foi calculada de acordo com o cabide infantil [30 cm], que pode ser usado até os 6 ou 7 anos da criança”, me contou a Ana. Dessa forma, sobraram 63 cm para a circulação. 

Em vez de duas portas de 50 cm de largura, a arquiteta previu três de 33 cm. Assim, quando abertas, elas consomem menos área de circulação, não atrapalhando a passagem.

As portas refletem a organização do interior do armário. Enquanto uma delas dispõe somente de prateleiras – ideais para guardar roupas que ainda estão grandes para o bebê, além de malinhas e outros itens volumosos, as outras duas servem ao dia a dia. Por isso oferecem araras em duas alturas e prateleiras para sapatinhos.

Cômoda-trocador

A profundidade de 50 cm é mais ou menos padrão. “Não podíamos mexer nessa medida por causa da segurança e do conforto do bebê e da mãe”, explica a arquiteta. A largura ficou em 90 cm. 

As gavetas superiores, pequenas, concentram fraldas e roupinhas como bodies, meias e pijamas. As de baixo, maiores, comportam roupa de cama e mantas.

Estante

Foto: Luís Gomes (divulgação)

Ela tem 23 cm de profundidade, mas só ocupa 15 cm do quarto. Hum, como assim? Não entendeu?! Eu conto: a parede de drywall (8 cm) que separa o dormitório da sala foi interrompida no trecho onde fica a estante. Dessa forma, o fundo do próprio móvel atua como divisória. 

Versáteis, os nichos de diferentes dimensões expõem mimos de tamanhos variados. Só uma coisa não varia: os brinquedos que já divertem a criança devem ficar na parte mais baixa, acessíveis a ela. 

Poltrona de amamentação e banco de apoio

Foram escolhidos modelos compactos, adequados à distância entre a estante e a cômoda. Quando se tornarem desnecessários, eles deixarão o quarto, e essa área juntinho dos brinquedos será toda para o bebê. 

E aí? Aprendeu como montar um quarto de bebê bonito e funcional? Saiba mais sobre o universo do bebê na casa clicando aqui aquiaqui

Até o próximo post!

Beijo

A Casa Com Vida vai a Chicago

0

Nossa estreia internacional teve palestra, curso, feira de utilidades domésticas e visita a lojas do setor. Suamos a camisa em pleno inverno americano! 

Nos primeiros dias de março, a sensação térmica em Chicago era de -25 ºC. Um choque imenso para quem deixava o verão carioca. Mas acho que nunca foi tão bom sentir frio! 😊Foi uma semana feliz e produtiva para mim e para as minhas sócias n’A Casa Com Vida, a Ivana Portella e a Stella Rangel. 

Nós viajamos a Chicago a convite de Gilberto Agrello, especialista do Think Plastic Brazil, programa realizado pelo INP (Instituto Nacional do Plástico) e pela Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos). Todos os anos, o Think Plastic Brazil leva gente da nossa indústria de produtos plásticos para rodadas de negócios em diversas feiras mundo afora. 

Desta vez, a feira era a International Home & Housewares Shows, uma das gigantes no segmento de utilidades domésticas. E nós estávamos lá não apenas para conhecer os lançamentos apresentados no evento, mas também para participar de atividades paralelas. 

É dada a largada!

Nossa programação iniciou numa quinta-feira, num retail tour organizado pelo Gilberto. Junto com cerca de 60 representantes de marcas brasileiras, visitamos as principais redes americanas de varejo de produtos para a casa. Acho que foram uns dez lugares incríveis. 

No dia seguinte, era hora de palestrar no 10º Seminário Think Plastic Brazil, evento que precede a abertura da feira. Aproveitando a reunião de tantos fabricantes e exportadores brasileiros, o Gilberto convida palestrantes que possam traçar um panorama do mercado de utilidades domésticas e indiquem tendências nessa área. 

À Casa Com Vida cabia ajudar a indústria a entender melhor como seus produtos são usados nas casas. A entender as necessidades que temos como organizadoras profissionais e as necessidades de quem nos contrata. Para isso, relatamos experiências com clientes e explicamos como a organização contribui para o bem-estar individual e das famílias. Foi um momento ótimo, que culminou com um brinde entre todos.

Os dias seguintes, sábado e domingo, foram de muita andança pela Home & Housewares. Guiadas pelo Gilberto, conhecemos produtos de todos os tipos, fizemos contato com marcas de vários países e aprendemos um bocado sobre tendências de cor e design. E ainda reservamos um tempo para passear pelos estandes acompanhadas de fabricantes parceiros d’A Casa Com Vida. 

Para encerrar, um dia inteiro de curso

A segunda-feira foi destinada aos preparativos para o curso que daríamos no dia seguinte. Em parceria com a Helena Alkhas, recebemos 24 alunas e um aluno para o A Casa Com Vida Por Aí – é como chamamos os cursos que ministramos fora de nossa sede carioca. Tudo aconteceu na casa da Helena. Há anos essa brasileira mudou-se para Chicago por causa da família e acabou trocando a profissão de executiva pela de organizadora. 

Assim como nossa anfitriã, boa parte de nossa plateia havia deixado o Brasil para acompanhar o marido e os filhos nos Estados Unidos. E descobrira no novo país uma realidade muito diferente da que vivenciava até então. Uma realidade sem empregada doméstica nem faxineira, babá ou cozinheira. Lá, as casas precisam ser organizadas para que a mulher dê conta de tudo.

Por isso o curso focou em técnicas de organização para quem mora fora e não dispõe de uma estrutura de apoio. E também mirou em quem pretende trabalhar como personal organizer, com dicas da Helena sobre o mercado local e precificação. No final, marcas que nos apoiam presentearam os participantes com produtos para organização. O dia foi longo, das 9 h da manhã às 7 h da noite, mas recompensador, porque a satisfação de todos era clara.

Mas ninguém encerrou esse dia mais feliz que eu, a Ivana e a Stella. Não foi só o dia, aliás, mas a semana inteira em Chicago. No retorno ao Brasil, muito trabalho me aguardava, com gravações, edições, outro curso… Ao parar para retomar as lembranças e escrever este texto, revivo cada momento e me emociono. Em nossa primeira incursão internacional, cumprimos tudo o que havíamos planejado e muito mais. Haja organização! 😉

Grande beijo

Onde mora a beleza

0

Maquiagem, pinceis, esmaltes, cremes, secadores de cabelo e por aí vai. Se não faltam apetrechos de beleza, tem de haver organização de sobra

Quem se contenta com um ou dois batons, um lápis de olho, um creminho pro dia e outro pra noite guarda tudo em um nécessaire e pronto. Mas o que acontece quando os produtos de beleza somam dezenas e dezenas de exemplares?

Você sabe o que eu penso sobre o acúmulo: se há coisas demais, parte delas a gente nem sabe que existe. Pior: muitas devem estar vencidas. Então, antes de definir como vai organizar a bagunça, eu sugiro que coloque em prática o método dos baldes.

É fácil! Em um balde vermelho, descarte o que é lixo. Em um amarelo, centralize aquilo que pode ser doado. Finalmente, coloque no balde verde tudo o que você usa e vai manter.

Agora, sim, dá para ter uma ideia real do que há para ser guardado. E aí você pode pensar em como fazê-lo, conforme o espaço de que dispõe. E não é que tudo precise ficar reunido no mesmo lugar. O importante é separar por categorias, pensando, ainda, em onde e em que momento você usa cada coisa.

Caso disponha de uma penteadeira no quarto, maravilha! Nada melhor que juntar ali perfumes, maquiagem, cremes e loções para o rosto, cosméticos para o cabelo e o kit de manicure. Já os produtos destinados ao banho devem ficar no chuveiro, claro.

Mas se a penteadeira for apenas um sonho distante e a realidade for um quarto e um banheiro pequenos, não se desespere: há jeito pra tudo na vida! As fotos que selecionei para este post são a prova disso. Elas mostram, por exemplo, como aproveitar um cantinho vizinho ao espelho com prateleiras. Ou a lateral do gabinete com um cestinho e o verso da porta com ganchos. E nesses suportes você organiza tudo da forma mais prática para a sua rotina.

Quer ver como dá certo? Eu comento um pouco cada ideia.

Painel magnético para um kit compacto

Que tal pendurar um quadro no banheiro ou no quarto? Um quadro decorativo que é funcional, mas também acaba valorizando a decoração. Você pode montar o seu pintando o fundo de uma moldura com tinta magnética, por exemplo. Ou pode comprar um painel metálico pronto.

Aí é só colar pequenos ímãs na base de estojinhos de sombra, blush e pó compacto. Em batons, lápis e esmaltes, melhor aplicar os ímãs na lateral dos itens. Reserve um espaço para cestinhos – bem leves – e preencha-os com pinceis e outras miudezas.

Nada mais versátil que uma sapateira plástica

Pendurada na parede ou atrás da porta do banheiro, ela será igualmente útil. Apesar de existirem lindas sapateiras coloridas, as transparentes ganham em praticidade, pois permitem ver o que está acondicionado. A minha dica é não misturar itens de diferentes categorias em cada bolso. Assim, os batons ficam juntos – mesmo que em mais de uma divisória –, bem como os esmaltes, os blushes, as loções de limpeza etc.

Para cada função, um espaço determinado

Preciso explicar?! 😊 Os produtos ficam tão bem organizados neste suporte que dá gosto olhar! Caso não encontre um modelo igual, reproduza a ideia fixando três pequenas prateleiras ao lado do espelho. Ou deixe três caixinhas sobre a bancada da pia. Ou com um gaveteiro como o da foto. O que importa é manter separados os itens de cabelo, de cuidados com a pele e de maquiagem.

Parece uma cômoda em miniatura

Organizadores de acrílico e com gavetinhas existem em diversas configurações, mas eu acho este um tamanho na medida. Uma forma eficiente de arrumá-lo é concentrar os cremes em uma divisória; todos os cosméticos para olhos em outra; os de rosto em uma terceira; e batons e glosses na última. Na parte de cima, vão os itens maiorzinhos e aqueles usados a todo momento. Se precisar, reúna bisnagas e potes altos em latas charmosas e copinhos, como na foto.

Cada um no seu quadrado, dentro da gaveta

Foto: Reprodução Good House Keeping

Se puder reservar parte do gabinete da pia para seu kit de beleza, saiba que existem organizadores para gavetas. Eu gosto muito dos que oferecem tamanhos variados de nichos e são empilháveis. Assim eles se adaptam melhor ao espaço que a gente tem.

Identificação por cores

Foto: Reprodução Blue I Style

Quem tem um monte de esmaltes pode reuni-los em uma caixa e, ainda assim, visualizar todos os tons de uma só vez. É só pingar uma gotinha de cada esmalte na própria tampa. E, claro, deixar os azuis com os azuis, os vermelhos com os vermelhos, os nudes com os nudes…

Secadores, chapinhas e cia

Não adianta querer deixar esses equipamentos no fundo de um armário ou em lugares praticamente inacessíveis. Eles precisam ficar à mão e no ambiente onde são usados. Como nas duas situações ilustradas acima.

Caso haja espaço na lateral do armário sob a pia, a sugestão é pendurar ali um arquivo de tela metálica – daqueles de escritório mesmo – e guardar nele o secador, a chapinha e o babyliss. Se não for possível, tente o verso da porta do gabinete, valendo-se de ganchos fixados com fita adesiva forte.

Colocando essas ideias em prática, não é só você que fica linda: sua casa também!

Beijo

10 jeitos geniais de usar a forma de gelo Na cozinha ou fora dela, ideias criativas para aproveitar uma forminha de gelo é que não faltam. Este post reúne uma dezena de exemplos que são pura inspiração!

0
  1. Cubo de gelo florido

Desde que vi esta ideia, estou aqui morrendo de amores por ela. Imagine servir para os convidados drinks refrescantes incrementados por esses cubos de gelo com flores dentro? Ah, quanta delicadeza! 🙂

Só um detalhe: mesmo que o plano não seja abocanhar a flor, use apenas as comestíveis para evitar riscos de intoxicação. Algumas espécies que podem ser escaladas sem medo são: capuchinha, hibisco, rosa, alfazema, violeta verdadeira, acácia branca, dente-de-leão e ipê amarelo, branco ou roxo.

E, claro, dá para fazer parecido aproveitando ervas aromáticas (alecrim, hortelã, manjericão…) ou pedaços de frutas (uva sem semente, morango, abacaxi e berries de todos os tipos caem super bem) no lugar das pétalas.

 

  1. Organizador de miudezas

A forminha é perfeita para reunir pequenos itens de escritório que costumam ficar espalhados. Também funciona para guardar pregos, parafusos, roscas e outras miudezas que muita gente insiste em enfiar em saquinhos e depois nunca mais encontra. A ideia ainda pode cair bem em outros contextos, como na organização de bijuterias, botões, linhas…

 

  1. Papinhas e sucos sempre à mão

Usar a forma de gelo para congelar líquidos e alimentos pastosos e depois transferir os cubinhos para sacos de fechamento hermético virou um clássico do freezer aqui de casa. Falei um pouco sobre isso no meu guia de congelados, lembra?

Pois a sugestão da vez é adotar essa técnica com purês e frutas batidas e nunca ficar sem matéria-prima prontinha para fazer comidas e sucos saudáveis. Se você tiver um bebê, experimente congelar a papinha caseira desse jeito. Os cubos nos saquinhos ocupam bem menos espaço do que potes convencionais e são práticos de manusear.

 

  1. Cubinho de tempero pronto

O método de armazenagem descrito na dica acima também vale para esses maravilhosos cubos de azeite com ervas aromáticas. Basta picar ervas variadas – a exemplo de alecrim, sálvia, orégano e tomilho –, acomodá-las nos nichos, cobrir com azeite e levar ao freezer. Tem até chef de cozinha que segue esta dica, como contei em um post anterior.

 

  1. Porta-fitas inteligente

Washi tapes lindas, organizadas, com as pontas soltas e prontas para serem usadas no seu próximo projeto craft. Parece sonho? Pois é a realidade mais fácil de ser conquistada com uma forma de gelo!

 

  1. Petiscos saudáveis e atraentes

Crianças pequenas também merecem lanchinhos visualmente caprichados – e olha a forma de gelo novamente na área, meu povo! A graça é transformá-la em uma bandeja de petiscos saudáveis, agrupando um tipo de alimento em cada buraquinho. Aproveite esta ideia em festas infantis e a gurizada vai ficar vidrada no banquete multicolorido!

 

  1. Bombom na forminha

Agora pense em uma receita fácil e surpreendente: sim, é esta aqui! Comece limpando bem o utensílio e deixe-o secar. Em seguida, unte com óleo de coco para que os bombons deslizem com facilidade na hora de desenformar. Derreta o chocolate de sua preferência em banho-maria, despeje até a metade de cada espaço da forma e leve ao congelador. Depois de 5 minutos, acrescente o recheio, complete com chocolate e leve de volta ao congelador por meia horinha.

Algumas sugestões de recheio: pasta de amendoim, morango picado, brigadeiro, beijinho, nozes, castanhas, passas… Deixe a imaginação voar!

 

  1. Giz multicolorido <3

Aonde vão parar os toquinhos de giz de cera dos seus filhos? No lixo? No fundo de um estojo? Então saiba que você pode reciclar e reaproveitar esse material! Acomode os pedaços em uma forma de silicone, leve-a ao forno a 180ºC por 5 minutos e depois coloque-a no congelador até que o giz volte a endurecer. O resultado não é lindo demais?

 

  1. Velinhas para aromaterapia

Essa também é muito fácil: derreta cera ou parafina e acrescente algumas gotas de óleo essencial e outras de corante alimentício, mexendo bem. Despeje a mistura em uma forma de silicone e espere secar para desenformar – siiim, tem de ser de silicone, senão a vela não solta! Nem precisa acrescentar o pavio: a ideia é se valer de um difusor para espalhar no ar o perfume das velinhas.

 

  1. Picolé de iogurte caseiro

Outra receita que exige forma de silicone é essa belezinha de sorvete. O modo de preparo não podia ser mais simples: basta misturar iogurte desnatado, frutas e açúcar (ou o adoçante de sua preferência). Leve ao freezer e, após uns 20 minutos, enfie os palitos. Controle a gula por mais umas 12 horas até que os picolés atinjam a consistência de sorvete.

Beijos Mica <3