Pedras sem limo? Tá fácil! Pisos e paredes revestidos de pedras são lindos e práticos, principalmente quando a gente sabe como limpá-los

Este post não é para falar de mármores e granitos polidos, mas sim daquelas pedras rústicas
tão usadas no chão das áreas externas e em paredes e muros, como a pedra mineira, a goiás, a
miracema…

Porosos e com a superfície bem rugosa, esses acabamentos tendem a juntar mais sujeira que
os materiais lisos. Por outro lado, são limpos com facilidade: basta uma escovação semanal ou
quinzenal usando detergente neutro misturado em água e uma escova de cerdas macias. No
caso de paredes internas cobertas de pedra canjiquinha (aquela em filetes, lindona!), nem isso:
é só tirar a poeira com um pano.

A dificuldade aparece quando uma sujeira se incrusta ou o limo surge naqueles trechos que
permanece úmidos e, muitas vezes, à sombra. Aí, a limpeza comum pode ser insuficiente,
principalmente se você tiver relaxado na frequência da faxina. Nesse caso, é bem provável que
você precise recorrer à água sanitária, mas bem diluída, numa proporção de 1 parte do
produto para 10 de água.

Teste a solução em uma área pequena, como eu sempre aconselho. Aguarde uns 15 minutos,
enxágue e, depois que o revestimento estiver seco, observe se ele não ficou manchado e se o
limo saiu. Deu tudo certo? Então mande ver no restante da superfície. Caso a pedra não esteja
completamente limpa, esfregue novamente, dessa vez com uma mistura um pouco mais
concentrada, com 1 parte de água sanitária para 5 de água.

Agora, se o seu problema for óleo de carro no chão da garagem… hum, é melhor chamar uma
empresa especializada na lavagem desse tipo de piso, porque provavelmente será preciso usar

um produto mais forte e que exige conhecimento técnico de quem o aplica. Fazer o serviço por
conta própria pode acabar se transformando naquele famoso ‘o barato que sai caro’.

E como eu sei que muita gente parte logo para a limpeza com lavadoras de alta pressão,
qualquer que seja a sujeira, compartilho aqui um alerta de especialistas em rochas, como o
geólogo Eduardo Quitete, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT),
que vive dando entrevistas sobre o assunto: nesse tipo de revestimento, as lavadoras de alta
pressão devem ser usadas a cada três ou quatro meses, no máximo. É que o jato de água
muito forte pode desgastar a superfície das pedras, deixando-as ainda mais porosas. E aí, o
que acontece? Elas vão atrair mais sujeira… Melhor, não, né?

Beijos,

Mica ♥

 

Deixe seu comentário