A Casa Com Vida vai a Chicago

0

Nossa estreia internacional teve palestra, curso, feira de utilidades domésticas e visita a lojas do setor. Suamos a camisa em pleno inverno americano! 

Nos primeiros dias de março, a sensação térmica em Chicago era de -25 ºC. Um choque imenso para quem deixava o verão carioca. Mas acho que nunca foi tão bom sentir frio! 😊Foi uma semana feliz e produtiva para mim e para as minhas sócias n’A Casa Com Vida, a Ivana Portella e a Stella Rangel. 

Nós viajamos a Chicago a convite de Gilberto Agrello, especialista do Think Plastic Brazil, programa realizado pelo INP (Instituto Nacional do Plástico) e pela Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos). Todos os anos, o Think Plastic Brazil leva gente da nossa indústria de produtos plásticos para rodadas de negócios em diversas feiras mundo afora. 

Desta vez, a feira era a International Home & Housewares Shows, uma das gigantes no segmento de utilidades domésticas. E nós estávamos lá não apenas para conhecer os lançamentos apresentados no evento, mas também para participar de atividades paralelas. 

É dada a largada!

Nossa programação iniciou numa quinta-feira, num retail tour organizado pelo Gilberto. Junto com cerca de 60 representantes de marcas brasileiras, visitamos as principais redes americanas de varejo de produtos para a casa. Acho que foram uns dez lugares incríveis. 

No dia seguinte, era hora de palestrar no 10º Seminário Think Plastic Brazil, evento que precede a abertura da feira. Aproveitando a reunião de tantos fabricantes e exportadores brasileiros, o Gilberto convida palestrantes que possam traçar um panorama do mercado de utilidades domésticas e indiquem tendências nessa área. 

À Casa Com Vida cabia ajudar a indústria a entender melhor como seus produtos são usados nas casas. A entender as necessidades que temos como organizadoras profissionais e as necessidades de quem nos contrata. Para isso, relatamos experiências com clientes e explicamos como a organização contribui para o bem-estar individual e das famílias. Foi um momento ótimo, que culminou com um brinde entre todos.

Os dias seguintes, sábado e domingo, foram de muita andança pela Home & Housewares. Guiadas pelo Gilberto, conhecemos produtos de todos os tipos, fizemos contato com marcas de vários países e aprendemos um bocado sobre tendências de cor e design. E ainda reservamos um tempo para passear pelos estandes acompanhadas de fabricantes parceiros d’A Casa Com Vida. 

Para encerrar, um dia inteiro de curso

A segunda-feira foi destinada aos preparativos para o curso que daríamos no dia seguinte. Em parceria com a Helena Alkhas, recebemos 24 alunas e um aluno para o A Casa Com Vida Por Aí – é como chamamos os cursos que ministramos fora de nossa sede carioca. Tudo aconteceu na casa da Helena. Há anos essa brasileira mudou-se para Chicago por causa da família e acabou trocando a profissão de executiva pela de organizadora. 

Assim como nossa anfitriã, boa parte de nossa plateia havia deixado o Brasil para acompanhar o marido e os filhos nos Estados Unidos. E descobrira no novo país uma realidade muito diferente da que vivenciava até então. Uma realidade sem empregada doméstica nem faxineira, babá ou cozinheira. Lá, as casas precisam ser organizadas para que a mulher dê conta de tudo.

Por isso o curso focou em técnicas de organização para quem mora fora e não dispõe de uma estrutura de apoio. E também mirou em quem pretende trabalhar como personal organizer, com dicas da Helena sobre o mercado local e precificação. No final, marcas que nos apoiam presentearam os participantes com produtos para organização. O dia foi longo, das 9 h da manhã às 7 h da noite, mas recompensador, porque a satisfação de todos era clara.

Mas ninguém encerrou esse dia mais feliz que eu, a Ivana e a Stella. Não foi só o dia, aliás, mas a semana inteira em Chicago. No retorno ao Brasil, muito trabalho me aguardava, com gravações, edições, outro curso… Ao parar para retomar as lembranças e escrever este texto, revivo cada momento e me emociono. Em nossa primeira incursão internacional, cumprimos tudo o que havíamos planejado e muito mais. Haja organização! 😉

Grande beijo

Prepare a casa antes de viajar 21 dicas para garantir a segurança e a manutenção do espaço

0
Malas junto da porta de casa

Julho! Que mês mais gostoso para tirar férias com a família nas montanhas ou num sítio… Ou na praia – por que não?

Se ninguém for ficar na sua casa ou no seu apartamento durante esse período, tome algumas providências antes. Salvo uma ou outra coisinha, juro que é tudo muito simples e o sossego que você terá compensará esses pequenos afazeres prévios.

Vamos à lista, dividida de acordo com o momento em que cada cuidado deve ser tomado.

Duas semanas antes de viajar

  1. Peça a suspensão da entrega de jornais e revistas durante o período em que estiver ausente. Acumulados na porta de casa, esses itens são indicadores de casa vazia.
  2. Verifique as datas de vencimento de suas contas. Pague antes o que for possível ou coloque em débito automático.
  3. Se você mora em casa, confira as calhas e, se elas estiverem cheias de folhas e sujeira, mande limpá-las – você não vai querer voltar de férias e encontrar a casa alagada, certo?
  4. Gato apoiado na calha do telhado
    Foto: FreeImages.com/Vlada Prihoda

  5. Quem mora em casa também deve avaliar a possibilidade de mandar instalar equipamentos eletrônicos de segurança, além de controle das luzes externas por fotocélula.
  6. Uma semana antes de viajar

  7. Controle com mais rigor o consumo de alimentos e bebidas a fim de deixar o mínimo de itens abertos na geladeira. Se conseguir esvaziá-la, aproveite para deixá-la desligada. Limpe-a e seque-a bem e mantenha a porta aberta para evitar cheiros.
  8. Interior de geladeira com poucos itens guardados.
    Foto: FreeImages.com/Carlos Paes

  9. Deixe sua chave com uma pessoa de confiança.
  10. Caso more em prédio, avise o síndico sobre quem pode entrar em seu apartamento.
  11. Peça a um vizinho próximo para ficar de olho em sua casa ou apartamento. Se ele não tiver as suas chaves, deixe com ele o nome e o telefone da pessoa que as tiver – além dos seus próprios contatos, claro.
  12. Se houver animais em casa, está na hora de pesquisar com quem eles ficarão. Será com um parente ou amigo? Ou será em um hotel para pets?
  13. Na véspera e/ou no dia de viajar

  14. Passe o aspirador em colchões e travesseiros e deixe-os arejando, descobertos.
  15. Leve seus animais de estimação para quem cuidará deles durante a sua ausência.
  16. Viajar com o cachorro transportado no carro
    Foto: FreeImages.com/Adriano Gonçalves

  17. Tire os aparelhos elétricos e eletrônicos das tomadas.
  18. Desligue os disjuntores correspondentes a tudo o que ficar sem uso – se a geladeira permanecer ligada, o disjuntor respectivo precisa ficar ligado também. O mesmo vale para equipamentos de segurança.
  19. Esvazie fruteiras e verifique se não há nenhum alimento fresco ou aberto dando sopa para baratas e outros insetos.
  20. Recolha o lixo e tire-o de casa.
  21. Feche os registros de água e gás.
  22. Desligue a campainha e reduza o volume de toque do telefone fixo.
  23. Tranque portas e janelas. No caso de esquadrias de correr, use pedaços de madeira para travá-las, impedir que deslizem e sejam abertas por fora.
  24. Deixe as portas dos armários abertas para evitar mofo.
  25. Feche os ralos e as tampas dos vasos sanitários.
  26. Regue as plantas antes de sair. A fim de que elas permaneçam irrigadas pelos dias seguintes, encha garrafas PET de água, tampe-as, fure as tampas e emborque os recipientes na terra. Lembre-se de fazer um furinho no fundo das garrafas para evitar vácuo e para que o líquido drene lentamente.
  27. Garrafa PET cheia d’água emborcada na terra do vaso para gotejamento contínuo.
    Foto: Cristiane Teixeira

O que não fazer de jeito nenhum:

Não deixe luzes acesas.
Não mude a mensagem na secretária eletrônica avisando que está fora.

Não falei que os cuidados são simples?! Pois agora é só viajar tranquilo e aproveitar as férias!
Beijo,
Mica

O que colocar na mala do seu filho Para uma semana viajando sem os pais, fica muito mais fácil para as crianças se as roupas forem arrumadas por look diário

2
Organizando a mala do seu filho

Julho é mês de férias escolares, mas não é todo pai nem mãe que pode viajar nessa época do ano. Se você vai despachar a cria por uma semana para a casa dos avós, um acampamento ou uma colônia de férias, veja o que – e como – deve colocar na mala.

Como estamosno inverno e as roupas de frio são mais volumosas, talvez a malinha de bordo não seja suficiente. Então, planeje-se com antecedência para não passar aperto na última hora. Os modelos com rodinhas são melhores porque a própria criança consegue manejá-los. E isso é ainda mais importante no caso de viagens com uma turminha da mesma idade, quando dificilmente haverá monitores para carregar as coisas da garotada.

Antes de mais nada, informe-se sobre o clima na região e sobre as temperaturas previstas para o período da estadia. Pense nas atividades que serão realizadas pois isso determinará o guarda-roupa de férias. Em geral os organizadores de acampamentos e colônias de férias enviam uma lista com os itens a ser levados, mas como nem sempre isso acontece, faça a sua parte para que seu filho não se prejudique nem você se culpe depois.

As orientações a seguir foram pensadas para a garotada de 6 a 10 anos, mas não são regras, tá? Quanto mais velho seu filho for, mais importante é envolvê-lo na escolha do que levar.

Serão necessários pelo menos quatro nécessaires de diferentes tamanhos. Um deles é só para escova de dentes, pasta e fio dental.

A segunda bolsinha serve para a hora do banho e leva shampoo, condicionador, sabonete líquido, pente, escova e desodorante (caso a criança já use). Vale a pena comprar potinhos de tamanho reduzido para mandar só a quantidade necessária dos três primeiros produtos.

O terceiro nécessaire reúne protetor solar e repelente.

No caso das meninas, convém juntar em uma bolsinha presilhas de cabelo, elásticos, faixa e outros acessórios que elas gostam de usar.

Faça um kit de primeiros socorros que deverá ser entregue ao responsável pela criança durante a viagem. Dentro do nécessaire coloque os remédios que eventualmente a criança esteja tomando, curativos, antisséptico, antitérmico e termômetro. Inclua a carteirinha do convênio médico e informações sobre o tipo sanguíneo do seu filho, o peso dele, se tem algum tipo de alergia… E acrescente o seu telefone e o do pediatra.

Separe as roupas: dois pijamas, duas ou três roupas de banho (biquínis, maiôs ou sungas), uma calça jeans, um ou dois cachecóis, um gorro, um boné, uma jaqueta impermeável e três ou quatro agasalhos de moletom e/ou fleece. Se sua filha gostar de vestidos e esse traje for adequado ao destino, coloque um modelo na mala.

E organize os looks diários:
– camiseta regata ou de manga curta
– camiseta de manga comprida
– short ou bermuda ou calça de moletom (pense num total de sete peças variadas)
– par de meias
– cueca ou calcinha (se a menina já usar sutiã, acrescente)

Coloque cada um desses looks em um saco plástico com fecho zíper, um para cada dia: assim, de manhã, a criança só precisa pegar um desses kits e os agasalhos que forem necessários.

Lembrete 1: se a viagem for para um destino quentinho mesmo no inverno, reduza os agasalhos. Se for frio demais, diminua o número de shorts e bermudas.

Lembrete 2: como roupas íntimas e meias ocupam pouco espaço, vale mandar peças extras.

Lembrete 3: se a criança for para um lugar onde seja possível lavar roupa, talvez você possa mandar menos itens.

Quanto aos sapatos, dois pares de tênis e um par de chinelos são suficientes. Se o lugar for quente, mande uma sandália também. Coloque cada par em um saquinho de TNT.

Saco Zip mala

Ao preencher a mala, comece pelo que é mais pesado: sapatos e nécessaires. Por cima, arrume o jeans, a jaqueta, o vestido (se for o caso) e os moletons. Em seguida vêm os saquinhos com os looks diários. Nas laterais, acomode os cachecóis, o gorro, o boné, um saquinho com as roupas de banho e outro saquinho com as meias e roupas íntimas extras. E não se esqueça de uma dessas mochilinhas do tipo saco, bem fininhas: elas são ótimas para juntar a roupa suja.

Quando se vai para acampamentos, o costume é levar toalhas de banho e de piscina, lençóis, cobertor, travesseiro e saco de dormir: siga o que os organizadores pedirem.

Para os que vão visitar os avós ou tios, em geral dispensa-se essa parte da bagagem, mas como prevenir é melhor do que remediar, pergunte se deve mandar algum desses itens.

No caso dos menorzinhos, brinquedos são essenciais, então peça a seu filho que escolha alguns para levar, mas procure o equilíbrio entre quantidade e volume.

Celular, tablet e jogos eletrônicos são um capítulo à parte. Se o acampamento proibi-los – o que é comum –, não há o que discutir. Livros tendem a ser permitidos. Já na casa de familiares, é mais difícil querer que seu filho deixe de lado os eletrônicos, portanto, não se esqueça de mandar junto os carregadores. E aproveite para pedir que ele faça fotos das férias para mostrar em casa depois!

Beijo,
Mica