Receita da Vovó: Bolo de Fubá

0

Quem é que não lembra daqueles deliciosos bolos de fubá, tenho certeza que marcou a infância de muitas pessoas, inclusive a minha! ♥

E essa receita é mais que especial, é da Vovó Leleta, e sabe o melhor? tá lá no  Caderno de Receitas da Vovó Risoleta.

Vamos cozinhar?

Ingredientes

200gr de manteiga;

2 xícaras de açúcar;

4 ovos;

3 xícaras de fubá;

1 colher de sopa de fermento em pó;

1 vidro de leite de coco;

Modo de Fazer

  1. Misture todos os ingredientes;
  2. Unte o refratário e leve ao forno pré aquecido;
  3. Depois de 30 min está prontinho!

Super fácil, hein?!

Beijinhos,

Mica e Vovó ♥

Receita da Vovó: Strogonoff Quem que não ama um bom e apetitoso strogonoff?

0

Eu sei que a copa já acabou e com ela, descobrimos – para aqueles que, assim como eu, desconheciam que o prato que tanto amamos aqui no Brasil tem origem russa. O nosso famoso Strogonoff é russo!

E, é claro que a Vovó mais amada tem a sua receita – a melhor! Vamos cozinhar?

Ingredientes

1 quilo de filé mignon;

2 cebolas;

1 vidro de cogumelo;

1 lata de molho de tomate;

1 colher de sopa de extrato de tomate;

1 lata de creme de leite;

sal a gosto;

pimenta do reino a gosto;

molho inglês a gosto;

2 colheres de óleo;

2 colheres de farinha de trigo;

 

Modo de Fazer

  1. Doure as cebolas bem picadas, junte a carne cortada em cubinhos;
  2. Acrescente os cogumelos cortados;
  3. Em outro recipiente, misture o molho de tomate, creme de leite, sal, pimenta do reino, molho inglês e, a farinha de trigo dissolvida na água dos cogumelos;
  4. Adicione a carne e deixe cozinhar cerca de 20 min.

Faça um arroz branco, batata souto ou palha para acompanhar.

Super fácil, hein?!

Beijos,

Mica e Vovó ♥

Tudo pela segurança dos bebês – acessórios para incluir no seu dia a dia Portãozinho, protetores de quina, travas multiuso, tapete de EVA... Usados em alguns pontos da casa, esses acessórios protegem os pequenos

0

Mães e pais grávidos se esforçam tentando prever todos os riscos, mas só quando o bebê
chega e começa a se desenvolver é que a gente se dá conta de que viver é para os fortes – e os
pequenos são muito fortes! Os acidentes fazem parte do aprendizado dos nossos filhos, mas
nem por isso vamos deixar a segurança deles ao sabor do acaso.

Cozinha e escada, por exemplo, oferecem vários riscos e definitivamente não são bons lugares
para um bebê engatinhar, andar nem brincar. Então, por que não limitar o acesso a esses
espaços isolando-os com aqueles portõezinhos disponíveis em lojas de acessórios infantis e até
em pet shops?

Outra armadilha são os cantos dos móveis, responsáveis por muitos galos dolorosos e
escoriações. Só que é fácil amenizar o estrago que eles podem provocar cobrindo-os com
protetores de quina feitos de silicone ou borracha – lojas especializadas em bebês e home
centers vendem esse tipo de produto. Existe até protetor de borda, perfeito para tampos de
vidro. É mais difícil de encontrar, mas nada que uma pesquisa na internet não resolva.

Não vejo motivo para choques nem para dedinhos presos em gavetas e portas se existem
protetores para tomadas e travas de tudo quanto é tipo – gente, já encontrei até trava para
eletrodomésticos e outra para a tampa do vaso sanitário!

Outro acessório de que gosto muito para o início da infância é o tapete de EVA. Macio e fácil
de limpar, ele é ótimo para forrar o chão no espaço onde o bebê costuma brincar. E quando
inicia a fase de andar de gatinhas, o tapete protege os joelhos dos pequenos. Como as placas
são encaixáveis, fica fácil adaptá-las à área disponível.

Para finalizar este post, eu só queria lembrar que ninguém deve esperar beleza desses
produtos. Não, isso não é com eles. Mas logo, logo os bebês crescem, o kit de proteção deixa
de ser necessário e sua casa pode voltar ao normal.

O guia prático dos congelados – nível avançado Enfim chegamos à reta final: quem dominar esses truques e segredinhos incríveis já pode tirar o diploma de expert em congelamento!

0

Já aprendemos o bê-á-bá da comida congelada, além dos macetes para deixar tudo
bem embalado e o freezer sempre em ordem. Sabe o que eu quero compartilhar com
você neste post para fechar o nosso guia? Dicas bem específicas que fazem toda a
diferença na hora de congelar ou descongelar determinados alimentos. Eu penei
bastante antes de descobrir algumas delas, por isso assino embaixo e garanto: essas
valem ouro, minha gente.

• Temperos

Salsinha e cebolinha podem morar no congelador sem dramas, disso todo mundo
sabe. Mas você curte aquela história de ficar raspando o bloco empedrado com o
garfo ou a colher? Pois eu não acho nada prático. Minha sugestão é fazer como na
foto acima: acrescente um pouco de água às ervas picadas, pré-congele na forminha
de gelo e, depois, transfira os cubos para sacos plásticos.
Seguindo o mesmo passo a passo, também dá para fazer cubinhos aromáticos de
azeite ou manteiga com ramos de alecrim, sálvia ou tomilho. Somente manjericão e
hortelã não aceitam essa tática.

• Ovo

Congelar o ovo inteiro não pode (a não ser que você goste de casca estourada e muita
meleca hehe), mas clara e gema podem ir ao freezer numa boa. Para usá-las juntas
ou apenas a gema, a receita é uma só: mexa ligeiramente com um garfo e acrescente

uma pitada de sal ou açúcar antes de congelar – a ideia é evitar que a gema fique
granulada. Se a clara estiver sozinha, congele ao natural.

• Arroz

Quem nunca se decepcionou ao descongelar comida? Comigo isso sempre acontecia
com o arroz. Por mais que os manuais dissessem que os grãos cozidos podem ser
levados ao freezer, o resultado final não me satisfazia.
E dá-lhe testes até descobrir que o arroz congelado perfeito tem dois segredos. O
primeiro é mandar ver em uma embalagem que não deixe quase nada de ar, como um
saco plástico bem apertado. O segundo é descongelar o arroz no micro-ondas,
colocando por cima duas ou três pedras de gelo e uma folha de papel toalha
umedecido. Em geral, cinco minutos são suficientes, mexendo na metade do tempo.

• Leite

Ao descongelar o leite, já me aconteceu de a gordura separar inteirinha. Arrisquei
bater no liquidificador para ver se misturava e… adivinha? Deu super certo! 🙂

• Pão

Congelar pão não tem nenhum mistério – e o francês fica crocante por fora e macio
por dentro, sim. Ele, a baguete e o ciabata, por exemplo, ficam ótimos quando a gente
tira do congelador, espirra água por cima e coloca no forno aquecido.
Outro truque, para quem prefere descongelar o pão antes de aquecê-lo é deixá-lo por
10 minutos em temperatura ambiente ou aquecer por 30 segundinhos no micro-ondas
em potência média. Depois disso é só levar ao forno elétrico ou a gás pré-aquecido,
por 2 ou 3 minutos.

Ah, também dá para congelar a massa crua: basta adicionar 1/3 a mais de fermento
do que a quantidade pedida na receita.

• Vinho

Para terminar, uma dica que eu considero de utilidade pública. Sobrou vinho?
Abasteça a santa forminha de gelo com a bebida e, mais tarde, transfira os cubos para
um saco plástico. Da próxima vez que uma receita pedir um pouco de vinho, você não
vai precisar abrir uma garrafa só para cozinhar. E, claro, se isso acontecer antes de
você ter esse estoque, é só inverter a ordem: use a quantidade necessária e congele o
resto.

E então, pessoal, depois de todas essas lições para deixar a cozinha mais prática,
saudável e livre de desperdícios, será que ainda há preconceito com comida
congelada que resista? Espero que não, hein!

Beijos geladinhos,

Mica ♥