Um dia muito especial Hoje é meu aniversário e eu adoro celebrar essa data!

5
Aniversário da Micaela

Eu nasci num domingo de Carnaval, num dia de festa. Então já pulei muito, muito, muito Carnaval nessa vida. Hoje eu estou mais recolhida da farra carnavalesca, mas eu reconheço que existe uma festa dentro de mim, isso é meu. Então eu sempre penso no meu aniversário como um dia feliz.

Por isso hoje é o meu ano novo. É quando realmente comemoro a entrada de uma nova era. Eu costumo pensar que quem me procura no dia do meu aniversário, me telefona ou me escreve, só quer despejar amor sobre mim. E isso no aniversário de qualquer um. As pessoas querem te desejar tudo de bom, relembrar momentos felizes… Existe uma enorme positividade no ar.

Eu sempre faço do meu aniversário um dia especial, desde as mínimas coisas, como comer uma coisa diferente no café da manhã. Sempre que possível, gosto de dar um mergulho no mar ou num rio, fazer um programa diferente, como ir ao cinema no meio da tarde. Eu procuro almoçar num lugar que eu ainda não conheça ou então vou a um restaurante que adoro.

Mesmo que seja só com os meus poucos e próximos, eu sempre celebro meu aniversário e procuro passar essa ideia de ritual para as minhas filhas. Acho legal que seja um momento de reflexão, de pensar em como foi o ano que passou e como quero que as coisas sejam no próximo. É quando tomo minhas resoluções e me sinto realmente renovada.

Hoje eu sopro as minhas velas em agradecimento à vida! Agradeço pela família que tenho, pelos amigos que cultivo, pelas oportunidades com que a vida me presenteia. Agradeço peloss mestres que me orientam e pela saúde, que é o maior presente! 

Desejo continuar vivendo em coerência com meus valores e nunca deixar secar a fonte da curiosidade e da vontade de aprender e melhorar sempre. Meu mantra é viver com alegria e gratidão pois a vida é um presente divino!

Beijos,
Mica ♥

7 Truques na hora de colocar os quadros Com as dicas de hoje, você nem martela o dedo, nem fura a parede no lugar errado

0
quadros na parede

Olha, não consigo imaginar minha casa sem quadros! Eles ajudam a dar personalidade aos ambientes, do mesmo modo que brincos, anéis e outros acessórios compõem o look do dia.

Escolher telas, fotos e pôsteres para montar a própria coleção é a parte mais gostosa — já dei algumas dicas a respeito aqui. Depois vem aquele momento que, para muita gente, é um desafio: pendurar os quadros. Se esse é o seu caso, não tema: com os macetes a seguir, você vai tirar de letra!

Cuidado com canos e conduítes

O primeiro passo é… descobrir se você pode furar a parede! Sim, porque se acertar um cano ou conduíte, é desastre na certa. Caso não tenha como consultar as plantas de hidráulica e elétrica da sua casa ou apê, valha-se do bom senso e não toque em paredes onde haja torneiras ou qualquer outro tipo de saída de água.

A parede aguenta?

Pode ser que suas paredes sejam de gesso acartonado (ou drywall) e, nesse caso, é preciso usar brocas e buchas específicas para o material. E nada de pendurar quadros gigantes e com vidro, pesando mais de 10 kg, sem alinhá-los com os perfis metálicos no interior das divisórias.

Buchas Ideais para Drywall

Caso as paredes tenham sido construídas com blocos estruturais, método cada vez mais utilizado, muita gente diz por aí que não se pode furar de jeito nenhum, mas isso não é verdade. Quem garante é um especialista em alvenaria estrutural, o engenheiro Arnaldo Wendler. Segundo ele, podem ser pendurados objetos de até 5 kg usando bucha e parafuso. Mas, se o quadro for muito levinho e você preferir apenas pregos, eles precisam ser de aço.

Colocação sem furos

adesivos para quadros

Se você não puder ou não quiser sair esburacando as paredes – às vezes dá uma peninha, eu sei –, nem tudo está perdido! Há muitas opções de produtos adesivos que podem fixar as telas: fita dupla face com espuma (também conhecida como fita banana), velcro, fecho metálico e até massinha. O que você precisa é verificar se o material suporta o peso do quadro – essa informação consta nas próprias embalagens.

Distribuição

prateleira Brisa grande

Depois, é hora de definir a quantidade e a localização das telas, o que depende das preferências de cada um, claro. Mas é bacana buscar o equilíbrio em relação ao espaço e aos elementos ao redor. Concentrar um arranjo com vários exemplares em um cantinho pode deixar o visual carregado, assim como um pequeno e solitário quadro junto ao sofá tende a parecer perdido.

Aliás, na parede do sofá, os quadros mais baixos — ou a canaleta onde ele serão apenas apoiados — devem ficar a pelo menos 30 cm do encosto do móvel, para que ninguém bata a cabeça ao se sentar.

Fora isso, a única regra é seguir seu próprio gosto. Opte por uma composição mais tradicional, totalmente simétrica, ou despojada, com peças de tamanhos e formatos diferentes, dispostas de um jeito mais solto.

Moldes

moldes quadros

Seja como for, a dica é usar moldes para visualizar como o arranjo ficará. É só recortar pedaços de papel (kraft ou de presente) do tamanho das molduras e ir fixando-os na parede com fita crepe até encontrar uma composição que agrade.

Definidas as posições, marque onde serão feitos os furos. E, para garantir que os quadros fiquem retinhos, use um nível de bolha. Caso não tenha um em sua caixa de ferramentas, você pode baixar um aplicativo para celular com essa função. Tecnologia é tudo, não é mesmo?

Furo sem sujeira

filtro de café

Antes de apontar a furadeira, que tal evitar que o chão e as coisas ao redor se encham de pó? Basta lançar mão de um daqueles filtros de papel para coar café. Posicione-o logo abaixo do ponto que será furado e prenda a parte de trás com um pedaço de fita crepe. Abra o filtro e deixe que o pó vindo da furadeira caia diretamente dentro dele. A sujeira será infinitamente menor!

Furo sem dor

Ao usar pregos, há duas técnicas infalíveis para não martelar o dedo: segure o prego com um pregador de roupa ou entre os dentes de um pente, como mostro neste vídeo. 

E aí, vai deixar essas paredes vazias?

Beijão,

Mica ♥

Fotos: Arquiteta Cristiane Dilly, Blog do Gesseiro, Cristiane Teixeira, Meu Móvel de Madeira e My Wall of Life

 

Faça seu próprio desumidificador de armários Ele vai custar bem menos que um produto comprado pronto e resolverá o problema do mesmo jeito

1
desumidificador caseiro

Gente, eu sei que estamos no verão, mas como pode chover tanto? Se você vive em uma região do Brasil livre desses temporais de início de ano, me desculpe pelo desabafo, mas é que eu já estou me sentindo até meio mofada.

E aí me dei conta de que era bom dar uma checada nos armários de casa para garantir que a umidade do ar não tome conta de tudo. Em espaços sem ventilação, os fungos se proliferam, contaminam alimentos e deixam roupas, calçados e acessórios manchados. Fora aquele cheiro terrível.

Então hoje eu aproveito para te ensinar três jeitos de fazer um desumidificador caseiro. Prometo que você vai vencer a guerra contra a umidade sem gastar horrores! Vamos colocar a mão na massa?

Para a primeira versão, você vai precisar de:

Cloreto de cálcio, garrafa PET ,Estilete, 1 gaze e 2 elásticos

Cloreto de cálcio em escamas ou granulado (facilmente encontrado em lojas online)

– 1 garrafa PET limpa e seca, sem a tampa

– Estilete, faca ou tesoura

– 1 gaze

– 2 elásticos

– Filtro de papel para café ou papel-toalha

  1. Corte a garrafa um pouco acima da metade, ou seja, deixe a parte inferior com uns ⅔ da altura total.
  2. Cubra o gargalo com a gaze e prenda-a com um elástico.

Preparo do desumidificador de armários

  1. Encaixe essa parte menor, de ponta-cabeça, dentro da maior.
  2. Preencha o copo menor com o cloreto de cálcio. Embora ele não ofereça grandes riscos à saúde, é um produto químico, então é melhor usar luvas ou uma colher (lave a colher muito bem depois!). Guarde-o em embalagem fechada, em local seco. Ah, e mantenha-o fora do alcance das crianças e dos animais de estimação!

Finalizando o desumidificador

  1. Para finalizar, cubra a boca o filtro de papel ou com o papel-toalha, fixando-o com um elástico.

desumidificador pronto!

Pronto! Agora basta colocar seu desumidificador dentro do armário e acompanhá-lo regularmente. Você vai perceber que o cloreto de cálcio possui altíssimo poder de absorção — em poucos dias, ele terá sugado a umidade, transformando o vapor do ar em líquido, e se dissolverá durante esse processo. Daí, é só dispensar a água retida, remover qualquer resíduo do copo menor e reabastecê-lo com mais cloreto de cálcio.

A segunda opção de desumidificador só difere da primeira pelo ingrediente principal: sal grosso em vez de cloreto de cálcio. Como o sal não derrete, quando perceber a água acumulada no recipiente maior, jogue-a fora e leve o sal ao forno para que ele seque bem. Então devolva-o ao seu desumidificador.

Prefere uma versão ainda mais simples? Então, vamos à terceira receita, para a qual você precisará de:

Carvão vegetal

– Carvão vegetal

– 1 lata (de achocolatado ou leite em pó) limpa e seca, com tampa

– Furadeira ou prego grosso e martelo

1. Faça diversos furos na parede da lata e na tampa.

2. Coloque lá dentro alguns pedaços de carvão vegetal (sim, aquele mesmo do churrasco!), feche-a e… é só isso!

O carvão não é tão absorvente quanto o cloreto de cálcio ou o sal, mas funciona. E ele não transforma o vapor em líquido, portanto, a lata não se encherá de água. Mas o material precisa ser trocado quando estiver com manchas brancas, o que deve acontecer após alguns meses.

Que tal, gostou? Quer mais? Então veja outros truques antimofo num post sobre cuidados com as roupas de inverno.

Bora fabricar seu próprio desumidificador!

Beijos,
Mica ♥