Até no banheiro é possível ter plantas! Mas é preciso escolher espécies que não precisem de sol direto e estejam acostumadas à umidade

Houve época em que era quase certeza encontrar alguns vasinhos de violeta no banheiro,
sempre na bancada da pia ou na janela. Hoje, porém, essa espécie de folhas peludinhas e
flores em buquê compartilha esses espaços com outras variedades ornamentais que, assim
como ela, fogem do sol direto, mas sem abrir mão da luminosidade. Eu mesma conheço várias,
como a espada-de-são jorge, a jiboia, o dinheiro-em-penca, as samambaias, a avenca e a rosa-
do-deserto.

Se falta sol no banheiro, o que é que sobra? Umidade, minha gente, sobra muita umidade por
causa do vapor do banho. E a umidade em excesso costuma ser inimiga das plantas, porque
abre caminho para os fungos se instalarem em caules e folhas.

Logo, só vale a pena acrescentar um pouco de verde ao banheiro se o ambiente for bem
ventilado. Melhor ainda será se as residentes desse espaço puderem passar algumas horas do
dia em outro ponto da casa, ainda mais arejado e iluminado.

Sabe o que mais ajuda? Regar os vasos com água livre de cloro – no caso das violetas, isso é
especialmente positivo. Basta ferver a água por uns 20 minutos e a substância se dissipará. Aí é
só aguardar o resfriamento total e umedecer a terra, tomando o cuidado de não molhar as
folhas e flores (lembre-se sempre do risco dos fungos!).

A frequência de regas você já sabe como definir: enfie o dedo na terra e descubra se ela está
úmida ou seca. Só molhe em caso de secura.

Para concluir essas dicas, aqui vai a mais importante: observe suas plantas. Elas são seres vivos
e, por mais que a gente siga todas as regrinhas, nem sempre se comportam como o esperado.
Por isso, se perceber que as plantas estão perdendo o viço, experimente mudá-las de lugar,
mesmo que seja dentro do próprio banheiro.

Tá bom por hoje? Então até o próximo post!

Beijos,

Mica ♥

Deixe seu comentário