O que fazer com potes de vidro?

0

Organizar, organizar e organizar! Reaproveitando vidros vazios de
conserva, você coloca ordem na casa e ainda economiza em acessórios.
Veja 11 ideias!

Eu tenho a maior pena de jogar fora os potes de vidro dos alimentos que consumimos aqui em casa. Mesmo que seja no lixo reciclável. Prefiro encontrar novas funções para eles, muitas vezes na cozinha e na despensa, mas ainda para guardar miudezas em outros ambientes.

São essas e outras funcionalidades que reúno hoje neste post. Eu trouxe ideias tão simples quanto a de empilhar forminhas de papel dentro de um vidro bonitinho. Mas também há outras que pedem um mínimo de trabalho para pintar ou colar os recipientes, por exemplo. Nada complicado, garanto.

Ao contrário, são sugestões muito fáceis de faça-você-mesmo que podem até entreter a criançada – como no post recente em que mostrei como reaproveitar vidros de conserva na decoração de festas e até para servir comidas e bebidas.

  • 1. Forminhas em boa forma
Foto: Reprodução Table For Two

“Como eu nunca pensei nisso?” Se você costuma fazer brigadeiros e outros doces que são servidos em forminhas de papel, provavelmente está se fazendo esta pergunta. Além de as forminhas não amassarem quando guardadas dentro de vidros com tampa, o efeito estético ainda é fofo.

  • 2. Para cultivar plantas em água
Foto: Reprodução A Piece of Rainbow

Vidros de tamanhos e formatos variados transformam-se em vasos num piscar de olhos! São ideais para espécies que vivem bem se forem cultivadas apenas na água, como clorofito, jiboia, lírio da paz, filodendro, dracena e pilea. Como o vidro é transparente, a beleza das raízes e do caule fica exposta, garantindo um arranjo ainda mais exuberante. Só não deixe as folhas tocarem na água, que deve ser trocada uma vez por semana ou antes, se começar a ficar turva.

  • 3. Porta-talheres para dias de festa
Foto: Reprodução My Sweet Savannah

Sempre que convido amigos para almoços informais, na sala ou no terraço, prefiro o serviço à americana. Ou seja, cada um pega seu prato de uma pilha, se serve e encontra um cantinho para comer. Para os talheres, a melhor opção é os deixar separados por tipo. Então, por que não escalar os vidros de conserva para mais esta missão? Veja como eles ficam lindos ao ser organizados sobre um prato de bolo com pé! Para um visual harmonioso, escolha um único modelo de vidro, tá?

  • 4. Porta-temperos de parede
Foto: Amy Bites

Uma chapa metálica na parede, potinhos de vidro bem pequenos, imãs fortes, cola instantânea e etiquetas: pronto, você tem todos os materiais de que precisa para montar seu porta-temperos. Basta fixar um ou mais imãs em cada tampa e, no fundo de cada vidrinho, colar a etiqueta com o nome do condimento. Depois cada recipiente vai para a chapa metálica, sustentado pelo imã.

  • 5. Utensílios de cozinha sempre à mão
Foto: Pinterest

É fácil demais, gente! Fixe abraçadeiras metálicas em uma tábua de madeira e, nelas, encaixe vidros altos. Parafuse a madeira na parede e seu porta-trecos estará pronto para receber colheres de pau, batedores, escumadeiras e outros utensílios de cozinha.

  • 6. Para conservas feitas em casa
Foto: Pinterest

O potinho que um dia chegou à sua cozinha cheio de azeitonas pode ser o potinho em que você guardará molhos e picles feitos em casa. Não é um ótimo destino? Eu, por exemplo, acho muito prático preparar uma quantidade maior do que a necessária de molho de tomate e de chutney de frutas e depois guardar o excedente na geladeira ou no freezer. Isso ainda vale para relishs, geleias, molho pesto etc.

A fim de que não haja contaminação de sabores, lave bem o vidro antes de reutilizá-lo. E cole etiquetas nas tampas para identificar o que está ali dentro e quando foi preparado. Para etiquetas permanentes, o melhor é aplicar na tampa um adesivo vinílico preto fosco – aí é só escrever com caneta de giz líquido, apagar e reescrever a cada novo uso.

  • 7. Despensa suspensa e transparente
Foto: Pinterest

Eu sempre recomendo guardar grãos, farináceos e biscoitos em vidros bem fechados. Assim os alimentos mantêm sua qualidade e ficam protegidos do ataque de brocas e carunchos. Além de enfileirar os recipientes dentro de armários ou sobre prateleiras, também é possível fixá-los embaixo deles, como na foto. Para isso é preciso parafusar as tampas dos potes sob o fundo da marcenaria. Na hora de pegar os ingredientes, bastar desatarraxar os vidros – as tampas permanecem presas.

  • 8. Práticos acessórios de banheiro
Foto: Reprodução Diy Playbook

Este porta-trecos é semelhante ao porta-utensílios de cozinha que eu mostrei na sugestão 5. O que difere é o tamanho dos vidros: para algodão, cotonetes e pinceis, eles podem ser menores. E, se não houver tantas coisas a guardar, flores são bem-vindas!

  • 9. Organização por cores

Que sugestão mais fofa para quartos de crianças! Eu encontrei o passo a passo deste porta- canetas no blog Ooly, que dá a melhor dica do mundo: antes de pintar os vidros, aplique um primer na superfície. Sabe qual a função desse fundo preparador? Evitar que a tinta escorra ou, em outras palavras, fazê-la fixar no vidro. Quando o primer estiver seco, pincele duas demãos de tinta acrílica nas cores desejadas, conforme os tons dos lápis e canetas que for guardar. Para fazer os rostos nos potes, use um lápis primeiro e, em seguida, um pincel fino e tintas preta e rosa. Finalize o trabalho com um selante.

  • 10. Porta-lápis também é coisa de gente grande
Foto: Reprodução Homedit

Dá para fazer maravilhas com tinta spray metálica – inclusive um kit de escritório chiquérrimo! Nesta sugestão, o dourado impera, mas você pode escolher qualquer outra cor.

  • 11. Um senhor porta-canetas
Foto: Reprodução Eighteen25

Basta usar cola quente para fixar um pote no outro: primeiro os três de baixo, depois os dois de cima e, em seguida, um conjunto no outro. Assim o utensílio pode ficar na posição horizontal sobre a mesa, sem risco de deslizar.

Gostou das ideias de hoje? Então coloque a mão na massa e deixe a sua casa mais organizada e bonita!

Beijos Mica <3

…e o cachorro vomitou no sofá…

0

Sim, todo dono de animal de estimação sabe que um dia isso vai acabar acontecendo. Então, em vez de se desesperar, saiba como resolver o estrago

Eu já escrevi um post inteiro sobre como limpar os estofados e eliminar riscos de caneta e nódoas de gordura, por exemplo. Mas e quando a sujeira no sofá ou no tapete é causada pelo vômito do cachorro? Aí é preciso tampar o nariz, calçar luvas, deixar o nojo de lado e se entregar à faxina.

O primeiro passo é retirar os resíduos sólidos. Se eles ainda estiverem úmidos, use uma colher ou espátula para removê-los. Caso já tenham secado, o aspirador de pó cumprirá essa tarefa de modo mais eficiente.

Em seguida, prepare uma solução de limpeza que deverá ser aplicada em toda a peça. Você vai precisar de:

  • água
  • detergente neutro
  • álcool
  • amaciante de roupa
  • borrifador
  • escovinha de limpeza de cerdas macias
  • escova de dentes velha
  • panos limpos

Misture partes iguais dos três primeiros ingredientes dentro do borrifador. Para um cheirinho bom, adicione uma colher de chá de amaciante.

O segundo passo é borrifar essa solução limpadora na mancha. Umedeça a área e deixe a mistura agir por uns cinco minutos. No terceiro passo, esfregue delicadamente a escovinha para soltar o vômito impregnado nas fibras têxteis. Caso o vômito tenha escorrido entre o assento e o braço do sofá, ou entre aquele e o encosto, use a escova de dentes para puxar os resíduos de sujeira de baixo para cima.

Com um pano seco, remova fragmentos e a parte líquida do vômito – quarto passo.

Repita as etapas 2, 3 e 4 quantas vezes for necessário até limpar bem a mancha. A quinta etapa é pressionar um pano seco e limpo sobre o local para absorver o excesso de umidade.

Se você limpar só o vômito, é provável que o estofado ou tapete fique manchado – simplesmente porque uma parte dele estará limpa e a restante não. Então, o sexto passo consiste em higienizar toda a peça. Para isso, repita as etapas 2 e 4, trecho por trecho, até dar conta de todo o sofá ou tapete. Na sétima etapa, pressione panos secos por toda a peça, retirando o máximo possível da água. Deixe secar em local ventilado e longe do sol.

Eu, como truque final, ainda aconselho um oitavo passo que é polvilhar bicarbonato de sódio sobre toda a peça – e principalmente sobre a área vomitada. No dia seguinte, é só retirá-lo com uma escova ou aspirador de pó. Recomendo esse cuidado porque o bicarbonato é antisséptico, ou seja, evita a proliferação de bactérias. Então ele não só eliminará qualquer cheirinho ruim que reste como ajudará a absorver a umidade.
 

Ah, não preciso nem dizer, eu sei, mas esse processo de limpeza também vale para vômito de humanos. Afinal, não são só os cachorros que passam mal de vez em quando…

Beijos Mica <3

Como limpar vômito
Vômito de cachorro no sofá
Como eliminar cheiro de vômito
Limpeza de tapete
Higienização de estofados

Mosquinhas, saiam já do meu banheiro!

0

Ah, como são chatos esses mosquitinhos que aparecem no boxe do
chuveiro… Quer saber como dar cabo deles? Então me acompanhe no
texto de hoje.

Fios de cabelo e pele morta são um banquete para esses seres minúsculos (medem uns 2 mm) de cor marrom ou cinza-escuro. Não à toa eles têm como local preferido a área do chuveiro: no ralo do boxe, as mosquinhas encontram tudo de que precisam para viver e se multiplicar.

E como se multiplicam! Cada fêmea deposita até 200 ovos, que eclodem em um dia e meio ou dois. É por isso que, mesmo sendo inofensivas, elas não devem ser deixadas quietas em seu canto. Afinal, quem é que quer ter essa quantidade de novas mosquinhas se reproduzindo loucamente e infestando o banheiro?

Por onde elas chegam
Descobrir por onde esses insetos estão entrando na casa é o primeiro passo para a prevenção. Não pense que eles chegam pela janela, tá? Eles usam mesmo os ralos – do chuveiro, da pia da cozinha, da lavanderia… Nada como um ralo cheio de matéria orgânica para atrair as mosquinhas! Ou seja, manter essas vias de acesso limpas é o que manterá afastadas as minúsculas voadoras.

Para saber por onde elas chegam, aplique um teste facílimo. Basta cobrir os ralos com fita adesiva, deixando o lado colante para baixo. No fim do dia ou no dia seguinte, você retira a fita e vê se há mosquinhas grudadas ali ou não. Faça esse teste até encontrar o ralo – ou os ralos – problemáticos.

Como limpar os pontos de acesso
Então você pode limpar os ralos em questão jogando água fervente dentro deles uma ou duas vezes ao dia e mantendo-os tampados. A água quente vai derreter a gordura acumulada no cano. Faça isso ao longo de uma semana e você verá as mosquinhas desapareceram.

Caso elas persistam, utilize aquela dupla infalível de limpadores domésticos: bicarbonato de sódio e vinagre branco. Primeiro coloque duas colheres de sopa de bicarbonato no ralo e depois despeje o vinagre. Quando a mistura se tornar efervescente, cubra a abertura com um pano quente, como ensina o blog da desentupidora Desentupir Já. Depois de 25 minutos,
jogue água fervente no cano para concluir a limpeza.

Quando a casa está infestada…
Se as mosquinhas já forem vistas em grande quantidade, só a prevenção de infestações não resolverá. É preciso ir à caça! E existe uma armadilha caseira que costuma ser bastante eficiente.

Trata-se de uma misturinha em quantidades iguais de açúcar, água e vinagre, acrescida de até 10 gotas de detergente neutro. Coloque tudo em um copo e mexa bem até formar espuma – ela reterá as mosquinhas que forem atraídas pelo açúcar. Deixe o copo (ou os copos) dentro do boxe ou perto do ralo da pia até acabar com os insetos.

Por hoje é só. Até o próximo post!
Beijos Mica <3

Quando e como lavar a lavadora de roupa

0
Foto: Reprodução Youtube

Sim, é preciso limpar a sua fiel ajudante com uma certa periodicidade. Aprenda o momento de fazer isso e a forma mais eficiente!

Você coloca a roupa na máquina e, quando tira, tem a impressão de que ela está mais suja do que antes? As peças saem com fiapos de tecido ou bolinhas pretas gosmentas? Hum, então passou – e muito! – da hora de limpar seu eletrodoméstico.

O problema é que, enquanto dá folga às suas mãos, a lavadora vai retendo fibras têxteis e acumulando restinhos de sabão em pó e amaciante. Sem contar a própria sujeira que sai das roupas e deixa seus resíduos no cesto e nas reentrâncias da máquina.

Por essa razão, os fabricantes costumam recomendar a limpeza mensal do equipamento para quem o utiliza até duas vezes por semana. Quem usa menos que isso pode estender a frequência para bimestral.

Essa é a lavagem geral, que passa por toda a máquina. Mas a lavagem de dispositivos, como filtros, drenos, borracha da porta (no caso das máquinas de abertura frontal) e reservatórios de sabão e amaciante, deve ser quinzenal.

Limpando a lavadora com essa frequência, a gente só ganha. A roupa realmente fica limpa, o equipamento dura mais e reduz-se a chance de ter de contratar uma limpeza profissional da máquina.

Reprodução Deco Proteste

Passo a passo da limpeza:

  1. Reservatórios de sabão, amaciante e alvejante: Eles exigem lavagem frequente e cuidadosa para que não soltem resíduos em suas roupas. Se os compartimentos forem móveis, desencaixe-os e mantenha-os de molho em uma solução de água e vinagre branco. Depois esfregue com uma escova de dentes velha ou uma escova de limpeza mesmo. Se os reservatórios forem fixos, você terá um pouco mais de dificuldade para acessá-los por inteiro, mas nada que uma escova de cabo longo não resolva.
  2. Filtros de fiapos e de resíduos:
    O primeiro é encontrado em toda máquina com abertura por cima e, como o nome diz, tem a função de reter fiapos das roupas. Já o filtro de resíduos aparece nos modelos com abertura frontal. A ele cabe evitar que moedas, arames de sutiã e outras miudezas maiores que fiapos atinjam a bomba de drenagem.
    Como cada máquina é de um jeito – em relação ao tipo e à localização do filtro –, consulte o manual da sua e siga as orientações do fabricante. Mas, se for possível retirar a peça, desencaixe-a e remova resíduos existentes. Lave o filtro em água corrente e, antes de recolocá-lo, verifique se há algum tipo de limo no compartimento – se houver, passe um pano.
  3. Interior da máquina:
    Não deixe nenhum pano dentro da lavadora quando for higienizá-la, nem adicione qualquer tipo de detergente.
    De modo geral, a regra é escolher o ciclo mais longo de lavagem e o nível mais alto de água para limpar o interior da máquina. Se ela aquecer a água, ótimo. Caso não, enche-a até a metade e depois complete com água fervida no fogão. O calor ajudará a soltar e dissolver os resíduos aglomerados de sabão e amaciante. Depois de já ter lavado o compartimento de detergente e enchido a lavadora, despeje ali 1 litro de vinagre branco no interior. Molhe uma escova nessa mistura e esfregue todas as áreas alcançáveis. Ligue a máquina. Você vai reparar que, mesmo sem ter acrescentado sabão, alguma espuma se forma, tudo por causa dos restinhos acumulados. Deixe a lavadora trabalhar até o fim para que ela elimine todo o vinagre e os resíduos. Depois é só usar seu equipamento normalmente. Se ainda assim ele continuar soltando fiapos e bolinhas pretas nas roupas, será preciso lavá-la novamente. Dessa vez, porém, substitua o vinagre por 1 litro de água sanitária. Em máquinas que contam com a função lavagem do tambor, tudo fica ainda mais fácil: essa programação já prevê água aquecida e tempo de lavagem longo. Nesse caso, os fabricantes recomendam não acrescentar nem o vinagre.
  4. Exterior da máquina:
    Água e vinagre também são ideais para limpar a parte de fora do seu eletrodoméstico.
    Umedeça um pano nessa mistura e passe-o em toda a superfície. Se for preciso, use uma escova de dentes velha para reforçar a limpeza dos cantinhos e reentrâncias.

Esses cuidados com a máquina dão um trabalhinho, mas isso não é nada perto do trabalhão que ela te poupa, não é mesmo?
Até o próximo post!
Beijo Mica <3