Temperos em dia e em ordem Que tal aprender a organizar e guardar seus temperos favoritos?

0
vidros de temperos

Condimentos que não ficam à mão acabam esquecidos no armário. O prejuízo é duplo, pois perdem o seu bolso e a sua comida. Para ter certeza de como conservar cada categoria de tempero, eu recorri ao chef de cozinha Adipe Neto, de São Paulo.

Sal

Esse aí não tolera umidade. Pode por na geladeira? Não, né?! Quando percebe que o ingrediente está grudando na ponta dos dedos, o Adipe já sabe: “Está úmido. Mas é fácil desidratar o sal, não importa se é refinado, marinho ou grosso”.

No fogão, você não precisa de mais que três a quatro minutos para torrá-lo em uma panela antiaderente, mexendo o tempo todo. Já o forno deve ser preaquecido em temperatura média: só então você coloca o sal ali por uns cinco minutinhos em uma forma antiaderente.

Mas, gente, o sal esquenta muito, muito mesmo, então espere um pouco antes de manuseá-lo, hein?

Condimentos secos e especiarias

Devem ficar em lugar arejado, longe do calor do fogão e da umidade da geladeira. Se houver um cantinho mais escuro para acomodá-los, melhor ainda. Vidros vedados são o recipiente ideal, mas lembre-se de identificá-los com nome e data de validade. Uma sugestão boa é colar a etiqueta no fundo do pote, assim ela fica escondida.

Se os condimentos já não vierem em vidros, aproveite aqueles de geleia, papinha de bebê ou cogumelos. Basta lavá-los e esterilizá-los, sempre guardando o mesmo tipo de tempero em cada um.

Óleos e azeites

Calor e luz oxidam esses alimentos, o que na prática se traduz em redução do sabor e do aroma. Por isso prefira embalagens de vidro escuro e não as deixe perto do fogão enquanto estiver cozinhando.

Ervas frescas

A geladeira é o local tradicional para conservá-las. Mas o freezer pode ser ainda mais eficiente, segundo o chef. “Eu gosto de dispor as ervas em forminhas de gelo, cobrir com azeite e congelar. Aí é só levar os cubinhos diretamente à frigideira em fogo baixo e já usar na receita”, diz o moço. Esperto, não? Alecrim, tomilho, orégano e sálvia aceitam bem esse processo, mas o manjericão e hortelã odeiam.

Pimentas frescas

Elas se saem melhor fora da geladeira, e há várias formas de mantê-las sempre em dia, como ensina o chef.

Secas (ou desidratadas): lave-as e enxugue-as muitíssimo bem. Após quatro dias em local fresco e ventilado, estarão secas e prontas para ser guardadas em um pote vedado.  

Congeladas: depois que você fizer o processo de desidratação, pode levar as pimentas ao congelador em sacos herméticos. Se for a vácuo, ótimo! Após o descongelamento, elas parecerão frescas.

Em conserva: capriche na lavagem e no enxugamento e, em seguida, coloque as pimentas inteiras ou em pedaços em um recipiente, cubra-as com azeite e feche muito bem. E o chef tem outra dica: “Em pedaços, a pimenta libera ainda mais o ardido”. Socorro!

Gente, adorei as sugestões do Adipe e já estou fazendo igual em casa! E você?

Beijo enorme,
Mica!

Imagem: Svetl/iStock