Já para a geladeira! Boa parte dos legumes, frutas e hortaliças são extremamente sensíveis ao calor – portanto, pedem consumo imediato ou refrigeração contínua. Aprenda a identificá-los!

0

Num post anterior, eu listei vegetais que não precisam ou que não devem ser guardados na
geladeira. Agora, vamos conferir aqueles que não só adoram como necessitam do friozinho?

Frutas de casca fina

A dica da nutricionista Vivian Zollar, da assessoria alimentar Qualy Food, é simples e eficiente:
“Quanto mais fininha for a casca da fruta, mais delicada e suscetível ao mofo ela será”.
Pensando assim, fica fácil entender porque o morango e a uva, por exemplo, devem ir direto
para a geladeira. O mesmo vale para o caqui rama forte, o kiwi e o tomate cereja.

Frutas bem madurinhas

Seja manga, mamão, pêssego, ameixa… quando estão no ponto, é sinal de que logo as frutas
vão passar dele. O ideal, nesse momento, é consumi-las, mas, se isso não for feito
imediatamente, o refrigerador garante um chorinho, prolongando a vida útil dos itens. “Frutas
já cortadas podem ser guardadas em potes fechados no refrigerador e consumidas com
segurança em até dois ou três dias”, explica Vivian.

Legumes em geral

Cenoura, beterraba, chuchu, berinjela, abobrinha… o gavetão inferior da geladeira foi feito
para eles. Guarde-os em sacos plásticos limpos ou potes com tampa a fim de evitar
contaminações e protegê-los da umidade excessiva. Há quem considere o tomate e o pepino
mais saborosos se mantidos em temperatura ambiente, então você pode fazer o teste e
descobrir se compartilha da opinião – mas saiba que, nessa situação, eles precisarão ser
consumidos mais rapidamente.

Foto: karammiri/iStock

Salada

As hortaliças devem fazer companhia aos legumes na parte de baixo do refrigerador, onde a
temperatura é mais amena. Como você já viu aqui, o melhor negócio é lavar, secar e guardar
as verduras com capricho assim que voltar das compras. A armazenagem também pode ser

feita em sacos e potes plásticos, mas o melhor dos mundos é contar com potes herméticos de
vidro – e acrescentar papel toalha embaixo ou acima das folhas. O mesmo pode ser feito com
as ervas frescas, caso você não queira deixá-las na água, como indicado no post anterior.

Beijos,

Mica ♥

SalvarSalvar

SalvarSalvar

Como organizar gravatas e cintos Eles são chatinhos de guardar, eu admito, mas depois que você encontra o seu jeito de fazer isso, nunca mais terá dificuldades

0
cabide com cintos

Homens, hoje a conversa é com vocês também. Nada de alegar que a organização da casa é território feminino, pois de seus cintos e gravatas (e também das cuecas e companhia) cuidam vocês. Mas está liberado solicitar ajuda e trocar ideias. Mulheres, compartilhem este conteúdo com seus maridos, namorados, filhos, pais e amigos e deem uma forcinha para a ala masculina – se eles pedirem com jeitinho, claro. 😉

Eu resolvi dar dicas de como guardar cintos e gravatas porque geralmente não se pensa neles na hora de planejar o armário ou o closet. E, se o guarda-roupa for comprado pronto, aí é que não incluirá mesmo nenhum organizador para os itens. Mas para tudo (ou quase!) existe solução, como mostram os produtos que apresento aqui.

Em rolinhos bem soltos

Eu gosto muito da ideia de manter gravatas e cintos enroladinhos e dentro de nichos – exatamente como na foto que inicia este post. Assim eles ficam cada um na sua, sem embolar, e são facilmente identificados. Mas preste atenção num detalhe fundamental: os rolinhos precisam ficar folgados. Nada de apertar as peças para que elas ocupem menos espaço. Se fizer isso, você vai estragar seus acessórios, que podem ganhar marcas de dobras que nunca mais sairão. No caso dos cintos, eles ainda correm o risco de se quebrar.

Caso você não disponha de um organizador como o da foto, use a imaginação e a internet para resolver a questão. Pesquisando o tema, você verá que é possível mandar fazer divisórias sob medida para a sua gaveta ou comprar caixas compartimentadas para dispor na prateleira. Feitas de acrílico ou MDF, elas não têm rebarbas que possam puxar fios dos tecidos.

 

 

 

 

 

Bastante práticas também são as colmeias flexíveis (de TNT e/ou plástico) para roupas íntimas: o tamanho dos bolsos acomoda direitinho as gravatas. Na minha opinião, as colmeias só não funcionam bem para cintos, pois eles são mais pesados, demandando uma estrutura mais rígida. E evite caixas de papelão na organização, pois elas deixam cheiro nos acessórios.

Pendurados em suportes

Para quem prefere guardar os complementos esticadinhos, as empresas de móveis planejados oferecem artefatos tão caprichados quanto um carrossel elétrico, objeto do desejo dos colecionadores de gravatas, por exemplo.

Mas existem muitas outras soluções, bem mais econômicas e bastante eficientes. É o caso dos vários tipos de cabides para pendurar no varão ou na porta do armário, tà venda em lojas de itens para a casa, home centers e comércios especializados em organização – tanto físicos quanto online. Alguns acessórios são úteis para gravatas e cintos, enquanto outros são mais apropriados a uma determinada finalidade.

 

 

 

 

 

As gravatas ficarão melhor acomodadas em suportes gordinhos, como aqueles revestidos de borracha ou veludo. Essa proteção serve para que o tecido não crie vinco no ponto da dobra. Se escolher entre modelos com ganchos de plástico ou metal, prefira os mais encorpados aos fininhos. Entendeu a ideia?

 

 

 

 

 

Os cintos demandam menos cuidados na compra do cabide: o que mais importa é que ele seja adequado à quantidade de peças que você tem.

 

 

 

 

 

E você pode até criar o seu próprio organizador de cintos. Entre as várias sugestões que existem por aí, eu acho muito charmosa a que se vale de um cabide e ganchinhos – até separei uma imagem do Pinterest.

Quem diria que seriam tantas as soluções para os cintos e gravatas, hein?!

Beijos, 

Mica <3

Fonte Imagens: Mercado Livre, Pinteres, Divulgação, Elo 7, FreeImages/Sundeip Arora e Michael Kaufmann