O guia prático dos congelados – nível intermediário Chegou o momento de conhecer algumas táticas que podem revolucionar sua relação com o freezer e ajudar a mantê-lo sempre nos trinques.

No primeiro post desta série, vimos as regras e os cuidados
essenciais para congelar os alimentos básicos sem erro – o que, diga-se de passagem, já é o
suficiente para deixar a vida mais saudável e descomplicada. Agora, se você quer realmente
começar um caso de amor com seu freezer ou congelador, esse papo vai além. É hora de
conversar sobre pré-congelamento, armazenagem e, claro, meu assunto preferido,
organização!

Pré-congelamento é a dica de ouro

• Você já teve de lidar com carne congelada grudada no plástico da embalagem? Ou com
legumes picadinhos que acabam empedrando e virando uma maçaroca só? Pois esses e outros
dramas podem ser evitados com o pré-congelamento, isto é: levar o alimento ao freezer
dentro uma assadeira por cerca de três ou quatro horas – a fim de que ele ganhe firmeza –
antes de partir para a armazenagem definitiva.
• Essa técnica é uma maravilha para congelar filés e hambúrgueres, por exemplo. Disponha-os
no tabuleiro sem que se toquem e, depois, embale-os um a um com uma dupla camada de
filme plástico. Vegetais picados também devem ser bem espalhados na hora do pré-
congelamento para que os pedaços não grudem uns nos outros. E ainda dá para pré-congelar
em forminhas de silicone porções individuais de pratos prontos, como arroz, feijão, sopa… Na
sequência, transfira-as para sacos plásticos e veja quanto espaço vai economizar.

Por falar em embalagem…

• Sólidos e pré-congelados em geral ficam super bem armazenados nesses saquinhos próprios
para freezer ou com a técnica da dupla camada, que pode ser de filme plástico ou de papel
alumínio com a face brilhante voltada para dentro.
• Se for usar recipientes de vidro, verifique se são do tipo temperado, ou seja, resistente a
variações de temperatura. No caso dos plásticos, o ideal é que sejam bisfenol free – do
contrário, eles não poderão ser descongelados no micro-ondas nem em banho-maria, ok?
• E não custa lembrar: ao congelar líquidos, deixe um espaço livre para que o conteúdo possa
se expandir numa boa. Aposto que quem já teve um pote de vidro estourado no freezer nunca
mais esqueceu a lição!

Manter a ordem é preciso

• Vamos combinar que não adianta nada ir acumulando potes e mais potes, saquinhos e mais
saquinhos e, de repente, não saber mais o que é frango de anteontem, couve-flor da semana
passada ou abacaxi que já fez aniversário, né? Toda e qualquer embalagem deve conter o
nome do item, a data do congelamento e seu prazo de validade. Confira na lista a seguir o
tempo máximo de congelamento dos principais alimentos e, na dúvida, saiba que quase tudo
dura pelo menos 2 meses e no máximo 1 ano no freezer:

Carne bovina fresca: de 9 a 12 meses
Carne moída ou hambúrguer: 3 meses
Linguiça, salsicha e bacon: 2 meses
Frango: de 6 a 9 meses
Peixes e frutos do mar: de 3 a 6 meses
Laticínios: até 8 meses
Vegetais: de 8 a 12 meses
Pães e bolos: até 6 meses
Pratos prontos: até 3 meses

• De tempos em tempos, dê uma geral e traga para a frente os produtos mais antigos – isso vai
estimular que eles sejam consumidos logo.
• Mesmo que o seu equipamento seja frost free, ao menos uma vez por ano, descongele tudo
e limpe o compartimento inteirinho. É questão de higiene!
Aproveite para conferir aqui outras dicas que vão deixar a bagunça bem longe do seu freezer.
Garanto que você não vai se arrepender de continuar nessa fria comigo. 🙂

Beijos,

Mica ♥

 

Deixe seu comentário