travesseiros empilhados

Travesseiros: compare e escolha Antes de comprar seu próximo modelo, conheça as características de cada material!

Começo este texto com uma pergunta: você dorme de lado, de costas ou de bruços? Longe de ser boba, a resposta a essa questão é determinante para a escolha do travesseiro – ou melhor, dos travesseiros, porque a recomendação é sempre usar dois, com diferentes funções.

Os médicos são unânimes em relação a dois pontos: dormir de lado é o ideal e dormir de bruços deve ser evitado, porque pode gerar contraturas musculares.

Para quem se deita de lado, o travesseiro principal precisa ser um pouquinho mais alto a fim de ocupar o espaço entre o ombro e a cabeça. Ao mesmo tempo em que ele irá apoiar a curva lateral do pescoço, também sustentará a cabeça, o próprio pescoço e a coluna, que deve ficar alinhada. Um segundo travesseiro vai entre os joelhos, evitando o seu atrito e apoiando o peso do quadril.

No caso de quem dorme de costas, o travesseiro principal deixa de amparar a coluna, mas adquire a função de sustentar os ombros, além da cabeça e do pescoço. E, claro, também apoia a nuca. A segunda unidade vai sob os joelhos.

Vamos aos materiais:

Espuma de poliuretano

Não é dos mais macios, mas sustenta bem e é lavável. Entre os modelos feitos desse material, existe um que é anatômico, o contour pillow.  Há variações com molas.

travesseiro de Espuma de poliuretano

Espuma de poliuretano fresh

Também firme, essa variação do poliuretano tem furinhos que mantêm o travesseiro sempre fresco, segundo os fabricantes. Há uma variação com molas.

Espuma viscoelástica

travesseiro de Espuma viscoelástica

É o material do chamado travesseiro da Nasa, modelo que se adapta à temperatura e aos contornos do corpo, mas sem perder seu suporte firme. Tem proteção antiácaro. Há variações: com manta de gel refrescante; com molas; com altura regulável.

Flocos de espuma

É muito macio e barato. Cede facilmente, compactando mais e mais com o uso – por isso precisa ser trocado com frequência. Não é antialérgico.

Fibra siliconizada

Também conhecido como travesseiro de pluma sintética. É macio, volumoso e leve, mas nem sempre tem proteção antiácaro. Há uma variação que inclui uma bolsa d’água, o que permite regular a altura da peça.

Plumas e penas de ganso

São leves e macios, porém perdem pontos no quesito alinhamento da coluna, já que cedem ao peso da cabeça.

Látex natural

travesseiro de Látex natural

Tem muitos furinhos que contribuem para a ventilação natural e é lavável, mas pode causar alergias.  Há variações com altura regulável.

Látex sintético

São firmes, confortáveis e frescos, mas nem todos os modelos são laváveis. Há variações com altura regulável.

Já viu que a variedade é enorme, né? E, sim, dá trabalho escolher o travesseiro certo, mas lembre-se de que um modelo velho ou inadequado pode causar muito mais que uma noite de sono perdida. Pode trazer dor na região cervical, dores de cabeça e até mesmo o adormecimento de braços e mãos. Uma dica, é aproveitar os travesseiros da Meu Móvel de Madeira, todos da Altenburg! 

É por isso que ortopedistas e fisioterapeutas recomendam que, antes da compra, a gente teste os travesseiros, apertando-os e até deitando e apoiando a cabeça neles. Ou seja, vá até uma loja especializada e deixe a desinibição de lado! E, após a compra, sempre siga as orientações de manutenção presentes na embalagem.

Quer saber do último post? Clique aqui!

Me deu até um soninho…

Beijo pra você porque agora eu tenho um encontro marcado com o meu travesseiro!

Imagens: Free Images/Michael Kaufmann

Deixe seu comentário