Como dobrar camisetas? Já que tem gente que considera essa tarefa desafiadora, vamos a ela!

0
como dobrar camisetas

Mães, vocês vão me entender, eu sei. Quer coisa mais irritante do que a criança ou o adolescente que justifica a bagunça no armário afirmando que dobrar camisetas corretamente é quase impossível?

Se você já ouviu isso uma, duas, três vezes, chega! Pegue seu filho ou sua filha pela mão, abra a gaveta e comece a ministrar a difícil lição do dia:

Forma 1:

como dobrar camisetas

  1. Apoie a camiseta sobre uma superfície plana, com as costas viradas para cima.
  2. A partir do fim da gola, dobre uma das laterais em direção ao meio. Dobre a manga.
  3. Repita os passos 2 e 3 com a outra lateral.
  4. Dobre ao meio.

Pronto! Muito complicado, né?!

Então vamos facilitar. Para isso, você pode contar com a ajuda de um gabarito para dobrar camisetas (vendido em home centers e lojas de organização) ou, quem diria, uma tábua plástica para cortar carne – só não vale ora usar a tábua na cozinha ora no quarto, tá? Compre uma mais em conta pra usar especificamente para dobrar as roupas. 

Forma 2:

como dobrar camisetas com uma tabua de carne

  1. Apoie a camiseta sobre uma base plana e posicione o gabarito ou a tábua sobre as costas, na altura da gola.
  2. Dobre uma das laterais sobre o molde. E dobre a manga.
  3. Repita os passos 2 e 3 com a outra lateral.
  4. Dobre a parte de baixo sobre o gabarito.
  5. Se essa parte ficar mais comprida, dobre a ponta para dentro, alinhando com a gola.
  6. Tire o molde e… voilá: camiseta dobrada direitinho!

O melhor de usar um molde é que todas as peças ficarão exatamente do mesmo tamanho e essa padronização da dobra é um alívio para a visão.

Dobradas assim, as camisetas ficarão perfeitas tanto em prateleiras quanto em gavetas – só não faça uma pilha muito alta, pois será difícil pegar um item de baixo. Mas ainda existe a opção de, após seguir os passos anteriores, dobrar as camisetas novamente em três para colocá-las de pé dentro das gavetas.

Essa ideia é especialmente bem-vinda para quem tem muitas peças, pois permite a visualização de todas. E elas podem ser dispostas como em um arco-íris, ou seja, por cores, o que dá um efeito bem bonito.

como dobrar camisetas

Para facilitar esse tipo de organização, as lojas especializadas vendem divisórias extensíveis que se adaptam a gavetas de diferentes tamanhos e asseguram que nada saia fora do lugar.

Se seus filhos ainda assim reclamarem de dificuldade, em vez de desenhar para eles, assistam juntos este vídeo, onde eu mostro – passo a passo –  como dobrar a camiseta.  Será o fim das desculpas esfarrapadas!

Beijos,
Mica ♥

Imagens: Cómo Organizar la Casa/Arquivo pessoal

Edredons e cobertores: de volta para o armário! Conforme a primavera avança, mais longe a gente quer ver esses itens tanto nos aqueceram meses antes.

0
edredons e cobertores dobrados

Em alguns lugares do país, o calor já é de verão. Ah, que delícia dormir só de lençol ou com uma colcha leve!

Esse é o momento em que cobertores e edredons deixam a cama em direção aos armários, certo? Certo. Mas antes de descansarem após bons serviços prestados durante o outono e o inverno, essas peças precisam ser lavadas. De preferência em lavanderias, para secarem 100% – qualquer umidade que reste pode causar mau cheiro e mofo.

Para guardar edredons e cobertores, minha dica é usar aqueles sacos a vácuo, que reduzem até três vezes o volume original. Assim você não esgota o espaço de armazenagem com uns poucos itens. E ainda os mantém a salvo de ácaros, poeira e umidade.

edredons e cobertores embalados a vacuo

Já as colchas que não forem necessárias podem ser preservadas do pó e da umidade em embalagens de TNT. Dê preferência para aquelas com visor, que facilitam a identificação do conteúdo.

Ao dispor esses pacotes no armário ou na rouparia, escolha as prateleiras mais altas. Primeiro porque são menos propensas à umidade. Depois, por uma razão que eu sempre lembro: as áreas mais acessíveis devem conter as coisas que a gente utiliza com mais frequência. E se você não vai precisar dos edredons tão cedo, por que guardá-los em local nobre?

Até a semana que vem!

Hall de entrada: o que ter na entrada de casa? Pequenas gentilezas criam uma recepção mais acolhedora para você e seus convidados.

1
hall de entrada

Ative sua memória e procure se lembrar das casas de seus avós e bisavós quando você era criança. Para alcançar a sala, quem cruzava a entrada social muito provavelmente passava antes por um vestíbulo. Lá, a gente deixava chapéus, casacos e guarda-chuvas.

Hoje, os espaços estão reduzidos e o hall de entrada vem se tornando raro. Mas isso não impede que se organize um cantinho junto à porta para recepcionar quem chega. É prático para a família e para as visitas, sabia?

O que não deve faltar:

Porta-chaves: em vez de ficar perguntando onde as chaves da casa e do carro foram parar, defina um local para elas.

Cabideiro: adoro aqueles modelos de parede que oferecem ganchos e prateleira. Assim têm lugar não apenas para casacos, bolsas e mochilas, mas também para correspondências. Um vaso de planta ou um objeto bonito tornam o cantinho mais charmoso.

Sapateira: muitas pessoas já têm o hábito de tirar os calçados assim que chegam em casa, evitando que a sujeira das ruas se espalhe. Então, nada mais prático que colocar um pequeno móvel para reunir os pares junto à porta, como a Sapateira Seleta. Se o modelo não permitir que a pessoa se sente para retirar ou calçar os sapatos, deixe também um banquinho ali do lado. Chinelos à disposição dos convidados são muito bem-vindos.

Porta-guarda-chuva: quem mora sozinho pode pendurar a sombrinha no cabideiro. Mas quando há mais gente na casa, o melhor é contar com um acessório exclusivamente para os guarda-chuvas.

Editar post ‹ Micaela Góes _ Organização Sob Medida — WordPress

Ao ler o post, você percebeu como esses recursos simples podem ajudar a manter a casa toda mais organizada? Funcionam muito, viu?!

Beijos,
Mica ♥

Imagens: A Casa Viva/5thstreet/iStock

 

7 formas de organizar suas receitas Os métodos são muitos, portanto cabe a você entender a qual sistema se adapta melhor!

0
como organizar as receitas?

Ok! Eu sei que muitas pessoas ainda não conseguiram se desapegar das velhas caixinhas repletas de fichas escritas à mão, como na foto acima. Mas hoje em dia existem tantas outras formas de organizar as receitas que eu quis falar sobre o tema aqui, atendendo ao pedido de uma leitora do blog.

Antes de esmiuçar o tema, porém, quero dar uma notícia para os fãs da Vovó Risoleta: estou preparando um livro com as melhores receitas da minha avozinha querida. Ele será lançado antes do Natal, o que significa que você pode pedir um exemplar ao Papai Noel! Bom, né?

Mas, voltando ao tema deste post, preciso fazer uma pergunta: você prefere papel ou computador na hora de organizar e consultar suas receitas?

Tem gente que adora a praticidade de ir para o computador, o tablet ou o celular e procurar tudo o que precisa, inclusive receitas. Com a vida corrida que se leva hoje em dia, isso pode encurtar a processo – desde que você saiba exatamente o que está buscando.

Mas eu entendo quem tem apego ao papel. Quem adora um caderninho para isso, outro caderninho para aquilo – desde que não haja mais um e mais um e mais um, tá? Porque, se isso acontecer, serão dois os problemas: a limitação de espaço e a dificuldade de encontrar o que precisa!

Vamos começar pelas regrinhas que valem tanto para o papel quanto para o computador:

  1. O critério mais que básico é dividir as receitas por categoria, como fazem os livros especializados. Se houver um índice, ele será assim: aperitivos, saladas, sopas, massas, aves, carnes, peixes, acompanhamentos, pães, bolos e sobremesas. Outra sugestão é segmentar pelo tipo de culinária, caso você goste de passear pelas cozinhas do mundo: asiática, brasileira, italiana, portuguesa, francesa, etc;
  2. Receitas para testar: essa é uma subcategoria que pode estar dentro de cada uma das categorias anteriores. Se você apenas ocasionalmente experimenta um prato diferente, setorize as receitas novas de forma mais simples, apenas como salgadas ou doces;
  3. Sempre que testar uma preparação nova, transfira-a para a categoria definitiva – caso tenha sido aprovada, claro. Ou dispense-a, se não tiver gostado.
  4. Uma dica legal é fotografar o prato pronto e juntar a foto à receita, registrando algum truque de preparo, uma modificação que tenha feito ou que queira fazer na preparação.

Para quem usa papel

Caderno

Se preferir a forma mais tradicional de organizar receitas, mantenha dois cadernos: um para salgados e outro para doces. Escolha modelos resistentes, com capa dura e espiral, mais fáceis de folhear e de manter na página desejada. Separe uma quantidade de folhas para cada categoria, levando em conta as receitas que já têm e as que acrescentará no futuro.

Scrapbook

É um álbum de colagem, mas só para receitas. Depois de separadas as páginas para cada categoria, você pode preenchê-las de diferentes formas, ou seja, escrevendo à mão e colando receitas retiradas dos mais diversos locais: revistas, rótulos (limpos!!!!), impressas a partir do computador. Dá até para pegar aquela folhinha de papel que já está se desmanchando, mas tem uma receita deliciosa anotada pela sua avó, e fixá-la no caderno. E você pode, ainda, fotografar esse papel e colar a imagem.Scrapbook de receitas

Fichário

Você é da época em que as meninas colecionavam papel de carta? A ideia é a mesma aqui: um fichário cheio de envelopes plásticos transparentes, cada um deles preenchido com pelo menos duas receitas, uma na frente e a outra no verso. Se tiver um monte de receitas, use um fichário para salgados e outro para doces para que a pasta não fique pesada demais.

Concordo que esse sistema pode ser menos charmoso que um caderno ou um álbum de scrapbook. Mas a praticidade e a higiene dão de 10 x 0.

No fichário você pode colecionar receitas escritas à mão, impressas, recortadas de revistas e jornais etc. Se acabar o espaço de uma categoria, é só acrescentar mais envelopes plásticos e pronto.

Além disso, não é preciso levar a pasta completa para a cozinha: basta pegar o envelope que interessa. E se algum ingrediente espirrar nele, é só passar um paninho com uma gota de detergente e devolver ao fichário após a conclusão do prato.

Vai dizer que não é muito mais fácil?!

fichário para receitas

Livros de culinária

Em geral eles são bonitos, então vale a pena incluí-los na decoração, criando um cantinho para eles na estante ou em uma prateleira. Assim você sempre se lembrará de consultá-los quando quiser ideias para o almoço.

livros de receitas

Para quem usa computador, celular e tablet

Pastas no computador

Assim como a gente cria pastas para assuntos de trabalho, dá para criar pastas para tipos de receitas. É só seguir aquelas categorias que eu citei lá no início deste post (aperitivos, saladas…). E você pode ter diferentes tipos de arquivo dentro de cada pasta. São documentos em word, fotos, PDFs etc. Assim como no papel, vale abrir uma subcategoria de preparações para teste.mulher fazendo receita com computador

 

Arquivos online

 

Para consultar sua coleção onde quer que esteja e de qualquer dispositivo (computador, tablet, smartphone), mantenha-a na nuvem. Use aplicativos como Evernote, Google Docs, iCloud, Google Drive e Dropbox. Se você utiliza o Pinterest, também pode criar painéis temáticos de receitas dentro dessa rede social.

Apps de receitas

 

 

Existe uma infinidade de aplicativos gratuitos, muitos deles com receitas testadas. É escolher, baixar, navegar e experimentar as sugestões. Não gostou? Parta para outro!

tablet com app de receitas

Não será por falta de métodos de organização de receitas que você deixará de surpreender a família e os amigos com sabores marcantes, hein?

Beijos,
Mica ♥

Imagens: iStock/Feira de Ideias- ELO7/vadimguzhva- iStock/Cris Teixeira