Aprenda a usar as facas Você sabe como utilizá-las para que elas durem muito? Não?! Então, este post é para você!

0
mulher cortando legumes com facas

Tábuas de vidro são fáceis de lavar e não ficam com cheiro. Mas têm um grande defeito: acabam com o fio das facas. Por isso, a fim de preservar suas grandes aliadas na cozinha, prefira as tábuas de madeira, bambu ou polietileno. Como são mais macias que o material das facas (inox, aço carbono ou cerâmica), elas é que vão levar a pior na hora de se fatiar qualquer coisa.

E agora você já deve ter adivinhado o que mais não deve fazer, né? Isso mesmo: está proibido cortar ingredientes diretamente sobre a bancada de mármore ou granito! E se ela for de aço, também, pois logo a superfície ficará cheia de horríveis arranhões.

mulher cortando legumes com facas

Foto: CentrallTAlliance/iStock – 166427858

Outro cuidado elementar, meu caro Watson, é escolher facas apropriadas para cada função: você vai acabar estragando a sua faca de sashimi se usá-la para cortar uma carne com osso.

Básico, também, é lavar as facas logo após o uso, esfregando-as com o lado macio da esponja para não arranhar a lâmina nem prejudicar o corte. Seque-as em seguida para impedir manchas e, no caso específico das facas fabricadas em aço carbono, oxidação. Os modelos de cerâmica não oferecem essas desvantagens, mas, por outro lado, sendo pouco flexíveis, quebram mais facilmente.

homem afiando faca

Foto: FotoCuisinette/iStock – 637145156

Em um post anterior, eu já expliquei que a durabilidade do fio das facas depende bastante de como elas são guardadas. Mas, mais cedo ou mais tarde, elas precisarão ser afiadas, e aí você pode usar o método que preferir: pedras para amolar, afiadores (manual ou elétrico) ou chairas – aquele bastão metálico que os churrasqueiros sempre usam. Seja qual for a ferramenta eleita, tome muito cuidado para não se cortar nem durante o processo nem depois, quando sua faca estiver tinindo de afiada!

E por hoje eu encerro o assunto. Até o próximo post!

Beijos,
Mica ♥

Como descartar vidros de esmalte? Eles são pequenos, mas podem causar um grande estrago no meio ambiente se não forem descartados corretamente

0
Vidros de esmaltes

É uma delícia pintar as unhas cada vez de uma cor! Vermelho hoje, azul poucos dias depois e, então, preto, verde, rosa, vinho, branco, roxo… Só não dá é para juntar aquele monte de vidros com restinhos velhos e jogá-los no lixo sem nenhum cuidado.

Os esmaltes são uma combinação de resinas (15%) e solventes (85%). E, em contato com o solo, contaminam a terra e a água. Por isso, nem pense em derramá-los no ralo da pia ou jogar o vidro fechado no lixo comum.

“Tá, Mica. Mas como eu descarto eles da forma certa?”. O processo de descarte é bem simples:

  1. Despeje o restinho do esmalte em uma folha de papel, como o jornal. Deixe secar: nesse processo, os elementos químicos evaporam.
  2. Jogue um pouco de acetona ou removedor de esmaltes dentro do vidro. Tampe e sacuda bem até limpar todo o interior. Derrame o conteúdo em outra folha de papel e aguarde a secagem.
  3. Quando os papéis estiverem completamente secos, é só colocá-los no lixo comum, que será dispensado em aterros, sem contaminar o solo.
  4. Junte os vidrinhos – livres das tampas – aos demais vidros para reciclagem.

Agindo assim, ninguém precisa se sentir culpado por querer variar os esmaltes. Mas também não precisa desperdiçar, hein?! E ó: manter os esmaltes organizados sempre! 

Mas você sabia que não são só os vidrinhos de esmaltes que precisam de um descarte correto? Lâmpadas fluorescentes e remédios vencidos também pedem atenção. E é claro que eu já ensinei o descarte correto deles também!

Beijos,
Mica ♥

Imagem: FreeImages/Cathy Kaplan

Como fazer as flores naturais durarem mais tempo? Você ganhou ou comprou um lindo buquê? Saiba como cuidar dele.

0
como fazer para as flores durarem mais

Já passei algumas dicas para organizar o jardim aqui e aqui. E hoje é a vez de ensinar a cuidar daquelas flores mimosas e charmosas que enfeitam nossa casa.

Apesar das plantas artificiais serem um charme, eu adoro ter flores de corte em casa! Mas basta esquecer de cuidar delas por um ou dois dias para ver esse presente da natureza murchar e morrer. 

E olha que não é difícil prolongar a vida das flores, viu? Veja o passo a passo:

  1. Retire as flores da embalagem plástica ou de papel o mais rápido possível;
  2. Separe um vaso para colocá-las. Mas, antes, lave-o bem com água e detergente;
  3. Com uma faca afiada e não-serrilhada, corte cerca de 0,5 cm de cada haste sob a água – o corte na diagonal aumenta a área de absorção de água pela planta. Retire as folhas mais baixas do talo para que elas umedeçam e apodreçam;
  4. Coloque uns 5 cm de água gelada no vaso. Essa quantidade é mais que suficiente e diminui a proliferação de bactérias, um processo natural que acaba contribuindo para a morte das flores.
  5. Adicione ao vaso um pouquinho de uma solução conservante e nutriente que você pode preparar em casa. Dependendo do diâmetro do recipiente, bastam de 20ml a 50ml da solução.
    Receita de solução conservante:
    – ½ litro de água;
    – 1 colher (de café) de água sanitária ou vinagre branco;
    – ½ colher (de café) de açúcar
  1. Deixe as flores longe do sol e do vento;
  2. Diariamente – ou dia sim, dia não, no máximo –, esvazie o recipiente. Antes de reabastecê-lo, lave-o com água e detergente para eliminar as bactérias que se formaram. Corte novamente as hastes, devolva as flores ao vaso e adicione a água e a solução conservante

Gente, é só isso! Fácil demais, né? A tão poucos cuidados, as flores agradecem com a beleza de suas formas e cores!

Beijos,
Mica ♥

Imagem: FreeImages/Alex Drahon

Como lavar as roupinhas do bebê? Elas devem ser lavadas separadamente e com produtos neutros.

0
roupas de bebê penduradas

Hoje meu papo é com os papais e mamães recentes. Uma das maiores dúvidas em relação a organização das roupinhas do bebê é como – e quando – lavar as primeiras peças da criança.

7º mês

Se você está grávida, já deve ter ouvido esse conselho: lave todo o enxoval antes de usá-lo. Eu acho que o ideal é fazer isso lá pelo 7º mês. Se lavar tudo no início da gestação, corre o risco de ver as peças encherem-se de pó e ácaros antes mesmo do nascimento.

Primeiro as roupinhas pequenas

Dedique-se primeiro às roupinhas de tamanhos RN, PP e P, que serão necessárias no início. E guarde-as em capas de TNT, que permitem a troca de ar, mas protegem da poeira. As peças maiores podem ser lavadas mais para frente, à medida que o bebê for crescendo.

Cuidados especiais na lavagem

Tenha o cuidado de nunca misturar as roupas do bebê com as demais. Nem no cesto de roupa suja, no balde ou na máquina.

Como a pele do recém-nascido é muito delicada e suscetível a alergias, use somente sabão neutro, hipoalergênico e dermatologicamente testado. Se for lavar tudo à mão, compre balde e bacia novos e reserve-os exclusivamente para essa função.

Caso utilize a máquina, deixe rodar por um ciclo completo apenas com água antes de introduzir as peças do bebê. Dessa forma você elimina resquícios de produtos empregados anteriormente. Escolha o ciclo de lavagem mais delicado que houver, coloque as roupas dentro de um saco próprio para lavagem (ou de uma fronha fechada com um nó) e garanta que o enxague leve embora todo o sabão. Se achar necessário, programe um enxague extra.

Quem não resiste aos amaciantes deve usá-los em pequenas doses, escolhendo os indicados para roupas de bebê, que são mais suaves e têm menos cheiro.

Quando a criança começar com as papinhas, retire as manchas de roupas e babadores com água morna e sabão de coco. Ou aplique o velho e bom vinagre nas nódoas e depois lave as peças normalmente. Não use água sanitária, pois ela é muito agressiva.

Mesmo tomando todos esses cuidados, fique sempre atenta à pele do seu bebê para ver se ele não está desenvolvendo nenhuma alergia.

E curta muito essa fase deliciosa! Ah, e aproveita pra ensinar, desde pequeno, seu filho a organizar os brinquedos neste post

Beijos,
Mica ♥

Imagem: Natalia Deriabina/iStock