Receitas da Vovó: Sopa Borsch Com esse friozinho chegando, nada melhor que uma sopa!

0

Com esse friozinho, nada melhor que juntar a família com uma sopa bem quentinha e gostosa, né não?!

E hoje é dia de aprender a fazer a sopa Borsch! A receita, é só uma das mil delícias compiladas e organizadas pela minha mãe, Graça Góes, no Caderno de Receitas da Vovó Risoleta. Mas chega de papo… Vamos cozinhar?!

Ingredientes

1 quilo de beterraba;
1 repolho;
1 quilo de carne de peito magra;
2 alhos poró;
2 cebolas;
2 talos de aipo;
1 molho de cheiro verde;
1 folha de louro;
250 gramas de creme de leite fresco;
2 litros de agua;
1 colher de café de pimenta do reino;
Sal a gosto;

 

Modo de Fazer

  1. Corte o alho poró, as cebolas em rodelas, o aipo e o cheiro verde;
  2. Descasque a beterraba e a corte em rodelas, coloque tudo na panela junto com o louro, sal, pimenta, cheiro verde e os dois litros de água;
  3. Assim que ferver, acrescente a carne e deixe cozinhar em fogo baixo, durante 2 horas ou até que a carne esteja macia;
  4. Após cozida, retire a carne e a corte em cubos, reserve;
  5. Retire do fogo, bata todos os ingredientes no liquidificador;
  6. Sirva com a carne, e em cada prato colocar por cima, colheradas de creme de leite a gosto.

Quer aprender mais receitas como essa? É só correr buscar o seu caderno de Receitas da Vovó Risoleta, disponível nas melhores livrarias do ramo!

Um beijo,
Mica e Vovó ♥

Itens que não podem faltar no seu carro Separei uma lista de itens indispensáveis para o carro. Vem ver!

0

O manual do carro mora e continuará morando no porta-luvas, pronto para me socorrer em
situações tão banais quanto a de esquecer a calibragem correta dos pneus.

Mas, além dele, há outros itens que eu faço questão de ter à mão rodando pela cidade ou na estrada.

Eu sempre tenho aqueles saquinhos de emergência de avião, lenços de papel e lenços
umedecidos. Esses últimos precisam ficar bem fechados na embalagem porque, como o carro
aquece na rua, eles podem ressecar. Então a dica é comprar o pacote pequeno – para não dar
tempo de secar – e repor com mais frequência.
Também mantenho um saquinho que transforma vômito e xixi em gel. É um produto vendido
em farmácias que é muito útil em viagens longas e quando não há banheiros por perto. Tenho
sempre dois deles.

Água é essencial, mas não uso as garrafas de plástico porque, quando elas aquecem, liberam
substâncias tóxicas. Então eu prefiro uma garrafa térmica de metal, que ainda mantém a água
fresca.

Tenho um protetor de para-brisa porque, quando estaciono num lugar onde o sol está batendo
forte, o protetor evita que o volante fique muito, muito quente.
Uma sacolinha plástica não ocupa espaço e, ao mesmo tempo, quebra um galhão: serve como
lixinho improvisado e é útil para juntar miudezas que insistem em se acumular (quem tem
criança vai me entender).

Foto: Reprodução Blog Bem Mais Seguro

Também mantenho caneta, bloquinho de notas, guarda-chuva, lanterna (o celular pode
substituí-la, mas…), álcool-gel e um paninho de limpeza, para o caso de derramar alguma
bebida ou de querer dar uma limpadinha no painel. E, claro, tem o carregador de celular.

Com esse kit, dificilmente sou surpreendida por alguma emergência.

Beijos,

Mica <3

 

Como organizar gravatas e cintos Eles são chatinhos de guardar, eu admito, mas depois que você encontra o seu jeito de fazer isso, nunca mais terá dificuldades

0
cabide com cintos

Homens, hoje a conversa é com vocês também. Nada de alegar que a organização da casa é território feminino, pois de seus cintos e gravatas (e também das cuecas e companhia) cuidam vocês. Mas está liberado solicitar ajuda e trocar ideias. Mulheres, compartilhem este conteúdo com seus maridos, namorados, filhos, pais e amigos e deem uma forcinha para a ala masculina – se eles pedirem com jeitinho, claro. 😉

Eu resolvi dar dicas de como guardar cintos e gravatas porque geralmente não se pensa neles na hora de planejar o armário ou o closet. E, se o guarda-roupa for comprado pronto, aí é que não incluirá mesmo nenhum organizador para os itens. Mas para tudo (ou quase!) existe solução, como mostram os produtos que apresento aqui.

Em rolinhos bem soltos

Eu gosto muito da ideia de manter gravatas e cintos enroladinhos e dentro de nichos – exatamente como na foto que inicia este post. Assim eles ficam cada um na sua, sem embolar, e são facilmente identificados. Mas preste atenção num detalhe fundamental: os rolinhos precisam ficar folgados. Nada de apertar as peças para que elas ocupem menos espaço. Se fizer isso, você vai estragar seus acessórios, que podem ganhar marcas de dobras que nunca mais sairão. No caso dos cintos, eles ainda correm o risco de se quebrar.

Caso você não disponha de um organizador como o da foto, use a imaginação e a internet para resolver a questão. Pesquisando o tema, você verá que é possível mandar fazer divisórias sob medida para a sua gaveta ou comprar caixas compartimentadas para dispor na prateleira. Feitas de acrílico ou MDF, elas não têm rebarbas que possam puxar fios dos tecidos.

 

 

 

 

 

Bastante práticas também são as colmeias flexíveis (de TNT e/ou plástico) para roupas íntimas: o tamanho dos bolsos acomoda direitinho as gravatas. Na minha opinião, as colmeias só não funcionam bem para cintos, pois eles são mais pesados, demandando uma estrutura mais rígida. E evite caixas de papelão na organização, pois elas deixam cheiro nos acessórios.

Pendurados em suportes

Para quem prefere guardar os complementos esticadinhos, as empresas de móveis planejados oferecem artefatos tão caprichados quanto um carrossel elétrico, objeto do desejo dos colecionadores de gravatas, por exemplo.

Mas existem muitas outras soluções, bem mais econômicas e bastante eficientes. É o caso dos vários tipos de cabides para pendurar no varão ou na porta do armário, tà venda em lojas de itens para a casa, home centers e comércios especializados em organização – tanto físicos quanto online. Alguns acessórios são úteis para gravatas e cintos, enquanto outros são mais apropriados a uma determinada finalidade.

 

 

 

 

 

As gravatas ficarão melhor acomodadas em suportes gordinhos, como aqueles revestidos de borracha ou veludo. Essa proteção serve para que o tecido não crie vinco no ponto da dobra. Se escolher entre modelos com ganchos de plástico ou metal, prefira os mais encorpados aos fininhos. Entendeu a ideia?

 

 

 

 

 

Os cintos demandam menos cuidados na compra do cabide: o que mais importa é que ele seja adequado à quantidade de peças que você tem.

 

 

 

 

 

E você pode até criar o seu próprio organizador de cintos. Entre as várias sugestões que existem por aí, eu acho muito charmosa a que se vale de um cabide e ganchinhos – até separei uma imagem do Pinterest.

Quem diria que seriam tantas as soluções para os cintos e gravatas, hein?!

Beijos, 

Mica <3

Fonte Imagens: Mercado Livre, Pinteres, Divulgação, Elo 7, FreeImages/Sundeip Arora e Michael Kaufmann

Dicas da Vovó Risoleta: truques de cozinha – parte 1 Porque dica é bom, mas dica da Vovó Risoleta é melhor ainda!

0

Imagina se você soubesse de algumas dicas curingas que facilitariam na hora de fazer alguma das receitas da Vovó Risoleta? Pois hoje, a nossa querida e amada Vovó resolveu compartilhar seus maiores segredos de cozinha – e é claro que a gente vai aproveitar tudo, né não?

As vezes, receitas tradicionais podem ser preparadas de um modo muito mais fácil e simples, seguindo apenas alguns truques. Quer ver só?

  • Aipim:

Jogue um copo de água gelada para interromper o cozimento e ele ficar macio;

  • Alho:

Descascar e partir o alho ao meio e, com a ponta da faca, retirar o coração faz com que o alho fique mais suave;

  • Bacalhau:

Para limpar, é mais fácil tirar a pele escura do bacalhau ainda seco, antes de colocar de molho;

  • Berinjela:

Para evitar larvas, deve estar com a casca escura e lisa, brilhante, leve e firme. Utilize de imediato e não coloque na geladeira, pois faz com que a berinjela murche;

  • Bolo:

Não abrir a porta do forno antes de 20 minutos, pois sola. O bolo estará pronto quando espetar um palito e o mesmo sair seco;

Para desenformar um bolo ainda quente, ao tirá-lo do forno, colocar a forma sobre um pano molhado;

  • Bolo Inglês:

Além da forma apropriada para o bolo inglês, ele também pode ser assado em uma forma com furo;

  • Calda:

Para a calda em ponto de fio, para saber se a calda está já está neste ponto, coloque um pouco de calda em um prato e espere esfriar um pouco. Depois, com as pontas dos dedos, aperte e puxe: deverá formar um fio que não se desmanche;

  • Calda em ponto de pasta:

A calda estará em ponto de pasta quando, inclinando-se a panela, começa a soltar-se, deixando o fundo limpo, sem grãos de açúcar – essa calda é bem rala;

  • Camarão:

Cozinhe rapidamente para que não fique duro, ou seja: o cozimento deve ser de 10 a 15 minutos, não ultrapassando disso.

E aí, gostou das dicas? Então fica esperto que semana que vem tem a parte dois!

Um beijo,
Mica e Vovó ♥